Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Técnica usa telefone celular para ler resultados de ELISA

quinta-feira, setembro 08, 2011 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

ELISA

Pesquisadores da Harvard Medical School e Harvard-MIT Health Sciences and Technology publicaram recentemente um artigo no jornal Lab on a Chip que descreve uma nova técnica para ler resultados de ELISA (Enzyme-Linked Immunoabsorbent Assay; pt-br: Ensaio Imunoenzimático) a partir de uma câmera de telefone celular. Esse novo método de leitura irá trazer mais facilidades para os diagnósticos e poderá ser empregado em locais com recursos limitados e os dados clínicos poderão ser facilmente transferidos para outros médicos e especialistas.

Os cientistas testaram o novo sistema de leitura em um biomarcador, HE4, de câncer de ovário. Algumas gotas de urina foram colocadas em um microchip que continha anticorpos monoclonais imobilizados. O peptídeo HE4 foi detectado usando a técnica de ELISA sanduíche com uma enzima (horseradish peroxidase [HRP]) marcada com uma anticorpo secundário. Tetrametilbenzidina (TMB) foi adicionada ao chip como um reagente, e torna-se azul quando é catalizada pela peroxidase. A cor azul pode ser dosada e correlacionada com as concentrações de HE4 na amostra.

Um aparelho Sony Ericson i790 com uma câmera de 3.2 megapixel (de cinco anos atrás) foi usado para fotografar o desenvolvimento da cor azul na ELISA. Para dosar a intensidade das cores vermelha, verde e azul dos pixels, um algoritmo foi desenvolvido e integrado a um aplicativo para celular. O aplicativo pode tirar fotos para o processamento, selecionar regiões para análises, calcular a curva padrão e, claro, determinar a concentração de HE4 na amostra do paciente.

Para a validação, as amostras foram também testadas no modo convencional, em microplacas. Com uma especificidade definida de 90%, uma sensibilidade de 89,5% foi alcançada. Os resultados parecem ser comparáveis com a técnica convencional. O teste feito com o celular, que é muito prático, tem potencial para tornar-se um método bastante útil na triagem de muitos biomarcadores.

Texto traduzido por mim do site medGadget

 

VOTE BIOMEDICINA

Brunno Câmara Biomédico

Biomédico, CRBM-GO 5596. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast (biomedcast.com).