Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Droga faz com que o HIV saia do seu período de latência

sexta-feira, março 09, 2012 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Um estudo impulsionou as espectativas de uma cura para o HIV. Pela primeira vez, resultados mostraram que uma droga pode seguramente dar o pontapé inicial na produção de vírus latentes em pacientes, fazendo com que eles possam ser detectados e atacados mais facilmente pelo sistema imune.

A descoberta foi anunciada ontem, 08/03, na 19ª Conferência Anual de Retrovírus e Infecções Oportunistas em Seattle, Washington, EUA. Mas outros estudos apresentados no mesmo evento sugerem que simplesmente fazendo o vírus ficar visível às nossas defesas não é suficiente para matar as células infectadas – e que a cura ainda está meio longe.

O HIV se integra ao genoma celular, usando a maquinária das células para fazer novas copias quando elas transcrevem seu próprio DNA. Mas em algumas células, o HIV sobrevive por décadas sem se manifestar, ou em latência, estado no qual não transcreve seus genes para fazer novos vírus. Isso faz com que nosso sistema imune e o tratamento antiretroviral não tenham efeito sobre essas células.

T-cell infected with HIV
A droga parece forçar o vírus a iniciar o processo de cópia de seu material genético, deixando as células infectadas mais vulneráveis às nossas defesas.

Estudos sugeriram que uma droga chamada suberoylanilide hydroxamic acid (SAHA) poderia tirar o vírus de sua “soneca”, mas ainda não tinha sido testado em pessoas. Então pesquisadores liderados por David Margolis, um Virologista Molecular da Universidade da Carolina do Norte, trataram seis pessoas com uma dose de SAHA e testaram seu efeito nos linfócitos T CD4+ – células alvo dos vírus.

O estudo descobriu que a droga (SAHA) fez com que a transcrição do HIV iniciasse nos linfócitos T CD4+ latentes e não houve efeitos colaterais graves. Ficando mais fácil de se tratar o paciente.

 

 

Artigo: Shan, L. et al. Immunity advance online publication dx.doi.org/10.1016/j.immuni.2012.01.014 (2012).

Brunno Câmara Biomédico

Biomédico, CRBM-GO 5596. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast (biomedcast.com).