Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Como é feito o diagnóstico da infecção pelo Ebola

quinta-feira, outubro 16, 2014 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

CDC

Para entendermos melhor, é necessário saber o período de incubação do vírus. Estudos recentes realizados no oeste da África demonstraram que 95% dos casos confirmados têm um período de incubação que vai de 1 a 21 dias; 98% têm um período de incubação que varia de 1 a 42 dias.

Recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para testar e confirmar um caso de Ebola

Tipo de amostra

  • Sangue total em EDTA (pacientes vivos);
  • Swab oral armazenado num meio de cultura de transporte universal (pacientes mortos ou coleta difícil).

Metodologia

Para detecção precoce do vírus Ebola nos casos suspeitos ou prováveis, a detecção do ácido ribonucleico (RNA) ou antígeno viral são os testes recomendados.

Resultados

Casos confirmados de Ebola no laboratório devem apresentar o resultado positivo para a presença do vírus, pela detecção do RNA viral por RT-PCR (transcriptase reversa PCR), e/ou pela detecção do antígeno viral por um teste de detecção de antígeno específico, e/ou pela detecção de anticorpos IgM contra o Ebola.

Dois resultados negativos de RT-PCR, com no mínimo 48 horas de diferença, são necessários para que um paciente clinicamente assintomático seja liberado do hospital, ou para um caso suspeito de Ebola ser dado como negativo.

Notificação

Os resultados laboratoriais devem ser comunicados à OMS o mais rápido possível, além de o relatório estar de acordo com os requerimentos e dentro dos prazos limites estabelecidos no Regulamento Sanitário Internacional, que são administrados pela OMS.

A OMS recomenda que os 25 primeiros casos positivos e as 50 amostras negativas detectadas por um país sem um laboratório nacional de referência em febre hemorrágica viral reconhecido devem ser enviadas a um centro de colaboração da OMS, projetado e especializado para a detecção segura (nível IV de biossegurança) de febres hemorrágicas virais, para um teste confirmatório secundário.

Com informações da Organização Mundial da Saúde

Brunno Câmara Biomédico

Biomédico, CRBM-GO 5596. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast (biomedcast.com).