Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Identificação de espécies de “Staphylococcus“ comparando PCR e métodos convencionais

quarta-feira, abril 22, 2015 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

MRSA. Image credit: NIAID

O Staphylococcus aureus é reconhecidamente um patógeno de grande importância clínica. Logo após o início da terapia com meticilina, cepas resistentes a esse antibiótico começaram a surgir. Tanto cepas de S. aureus resistentes à meticilina (MRSA) quanto cepas de Staphylococcus epidermidis resistentes à meticilina (MRSE) estão entre as principais bactérias multiresistentes no mundo inteiro, causando principalmente infecções hospitalares.

A identificação dessas cepas é essencial para o início correto da antibioticoterapia e erradicação da infecção. Sem falar que, quanto mais cedo a identificação, mais cedo o paciente é isolado, prevenindo a disseminação da “superbactéria”.

Pesquisadores publicaram um artigo na edição de março de 2015 do periódico Journal of Clinical Laboratory Analysis, em que compararam a técnica de PCR em tempo real com método convencional na identificação de MRSA e diferenciação das espécies de Staphylococcus coagulase negativas (SCoN).

No método convencional, as amostras foram semeadas em ágar sangue e manitol contendo cefoxitina. A identificação foi realizada pelos testes de gram, catalase e coagulase. Para realizar a PCR, o DNA bacteriano foi extraído. Primers específicos para a região ITS e sondas específicas para S. aureus foram utilizados. Em outra análise por PCR, foram utilizadas sondas para o gene mecA, para detecção de resistência à meticilina.

A PCR em tempo real identificou S. aureus e SCoN em mais amostras que a metodologia convencional. Em 26 amostras positivas para S. aureus pela técnica de PCR, foram negativas pelo método convencional.

Além da alta sensibilidade da PCR, o tempo entre a coleta e o resultado final é superior em comparação ao método ainda utilizado na maioria dos laboratórios. Para cultura, os resultados ficam prontos de 24 a 72h; já pela PCR esse tempo pode ser diminuído para 5h, ou menos.

É um artigo muito interessante. Recomendo sua leitura na íntegra.

Klaschik, S., Lehmann, L. E., Steinhagen, F., Book, M., Molitor, E., Hoeft, A. and Stueber, F. (2015), Differentiation Between Staphylococcus Aureus and Coagulase-Negative Staphylococcus Species by Real-Time PCR Including Detection of Methicillin Resistants in Comparison to Conventional Microbiology Testing. J. Clin. Lab. Anal., 29: 122–128. doi: 10.1002/jcla.21739

Brunno Câmara Biomédico

Biomédico, CRBM-GO 5596. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast (biomedcast.com).