Discussão sobre os valores de referência para Vitamina D

quarta-feira, outubro 25, 2017 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Valores de Referencia Vitamina D

A Vitamina D é importante no equilíbrio entres os níveis séricos de cálcio e fósforo para um bom funcionamento do metabolismo, principalmente da mineralização óssea. Está envolvida no desenvolvimento do tecido ósseo, sendo essencial durante a infância e adolescência.

Novos estudos mostram que a vitamina D é um importante regulador de processos patogênicos, como doenças autoimunes, cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Além disso, é importante na inibição da proliferação celular e angiogênese, indução da diferenciação celular e promoção da apoptose.

Valores de referência de vitamina D

A avaliação laboratorial da vitamina D é realizada, principalmente, por meio da dosagem sérica do metabólito 25-hidroxivitamina D, também conhecido como 25(OH)D.


Modelo esquemático do metabolismo da vitamina D

Durante o 51º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (CBPCML), o tema foi abordado na conferência “Avaliação crítica dos pontos de corte para Vitamina D”. O palestrante, Jos Wielders, da Holanda, apresentou dados da literatura que corroboram o uso dos limites de corte de 20 ou 30 ng/mL. Apesar de não existir consenso, o conferencista sugeriu que o ideal é manter os níveis entre 30 e 50 ng/mL.

Os valores de vitamina D que grande parte dos laboratórios utiliza em seus laudos são oriundos da literatura internacional.

Valores frequentemente utilizados:

  • – Inferior a 20 ng/mL: Deficiência
  • – 20-29 ng/mL: Insuficiência
  • – Maior ou igual a 30 ng/mL: Suficiência

O Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) informou que os valores de normalidade da 25(OH)D vêm sendo discutidos há algum tempo pelas Sociedades. Esse valor de referência de 30 ng/mL havia sido proposto pela Endocrine Society e a SBEM.

O posicionamento do Departamento é de que:

  • Maior do que 20 ng/mL é o desejável para população geral saudável;
  • Entre 30 e 60 ng/mL é o recomendado para grupos de risco como idosos, gestantes, pacientes com osteomalácia, raquitismos, osteoporose, hiperparatireoidismo secundário, doenças inflamatórias, doenças autoimunes e renal crônica e pré-bariátricos;
  • Entre 10 e 20 ng/mL é considerado baixo com risco de aumentar remodelação óssea e, com isso, perda de massa óssea, além do risco de osteoporose e fraturas;
  • Menor do que 10 ng/mL muito baixa e com risco de evoluir com defeito na mineralização óssea, que é a osteomalácia, e raquitismo.

Os pacientes, nestes casos, apresentam dor óssea, fraqueza muscular e podem ter fraturas; e acima de 100 ng/mL é considerado elevado com risco de hipercalcemia e intoxicação.

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML) esclarece que a responsabilidade sobre valores de referência é de cada laboratório. Existem diferentes fontes para aplicação dos valores de referência para cada tipo de exame. As formas mais comuns para esta definição são: bulas reagentes (validadas), estudos científicos de literatura (nacional e internacional) e criação dos valores pelo próprio laboratório (com critérios definidos pelo laboratório).

A SBPC/ML, como sociedade científica, não define valores para os laboratórios. A SBPC/ML discute os diferentes temas, publica documentos como recomendações e artigos científicos. Os laboratórios devem reportar os valores que julgarem mais adequados.

SBPC/ML e SBEM

Brunno Câmara Biomédico

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596. Mestrando no Programa de Pós-graduação em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG (IPTSP-UFG). Coordenador do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.