Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Principais causas de anemia hemolítica

domingo, agosto 10, 2014 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

As Anemias Hemolíticas (AH) são distúrbios resultantes do aumento da destruição dos eritrócitos, que têm vida média de 120 dias. Nas AH esse período é reduzido, sendo as células destruídas antes do tempo normal.

Basicamente, podem ser classificadas em AH hereditárias e adquiridas.

AH

Anemias Hemolíticas Hereditárias


Lâmina de um paciente com eliptocitose hereditária. Arquivo pessoal.

As hereditárias são resultantes de defeitos “intrínsecos” dos eritrócitos. Quando esses defeitos são na membrana, como resultado tem-se esferocitose ou eliptocitose hereditária.

Quando há deficiência de G6PD ou PDK o erro inato é metabólico. Defeitos quantitativos ou qualitativos nas moléculas de hemoglobina resultam em síndromes α e β talassêmicas e, também, anemia falciforme.

Anemias Hemolíticas Adquiridas

Dentre as adquiridas estão as imunológicas, divididas em autoimunes, aloimunes e as associadas à drogas. Há também as provenientes de infecções, como a malária.

Agentes químicos e físicos podem também desencadear um quadro de AH. Pode-se também desenvolver AH secundariamente à outras doenças como hepatopatias e nefropatias.

Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN)

A HPN é um caso especial, pois apesar de ser adquirida, o defeito provém da diminuição ou ausência de uma molécula de membrana, chamada GPI, que serve como âncora para outras moléculas como o CD55 e CD59, importantes na proteção das células contra a ação do sistema complemento.

Os eritrócitos dos indivíduos que desenvolvem a HPN são atacados pelo próprio sistema imunológico, através do complemento, levando à hemólise intravascular. Como é uma doença proveniente de uma mutação em um gene de uma célula-tronco hematopoiética, sua gravidade depende do tamanho do clone mutado.

Referência
A. V. Hoffbrand; P. A. H. Moss. Fundamentos em Hematologia. Artmed, 6ª ed., 2012. (Tradução: Renato Failace)

Brunno Câmara Biomédico

Biomédico, CRBM-GO 5596. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast (biomedcast.com).