Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

10 coisas que todo Biomédico deve saber sobre a Febre Amarela

Vírus da Febre Amarela

Estamos vendo ultimamente que vários estados brasileiros vêm sofrendo com surtos de Febre Amarela. Já foram notificaram ao Ministério da Saúde pelo menos 901 casos suspeitos da doença. Do total, 708 casos permanecem em investigação, 151 foram confirmados e 42 descartados. Dos 143 óbitos notificados, 54 foram confirmados, 86 ainda são investigados e 3 foram descartados.

Mas qual o agente etiológico da febre amarela e como ela é disseminada? Confira a seguir as informações mais importantes, que todo biomédico, assim como qualquer profissional da saúde, deve saber.


Você também pode escutar esse post. Dê play logo abaixo!


1. É uma Arbovirose

A febre amarela é uma infecção viral, denominada também de arbovirose. Denominam-se arbovírus (arthropod-borne viruses) os vírus cuja transmissão se dá por picada de um vetor artrópode. Entre as arboviroses que afetam o homem, 13 são causadas por vírus da família Flaviviridae, gênero Flavivirus.

2. Estirpe 17D

Apesar de a transmissão por mosquitos ter sido proposta desde 1848, a comprovação ocorreu somente em 1901, por Reed, que identificou o mosquito Aedes aegypti como vetor do vírus. Em 1927, Mahaffy e Bauer isolaram o vírus (estirpe Asibi) após inoculação do sangue de um paciente em macaco Rhesus. Dez anos depois, Theiler e Smith conseguiram atenuar a estirpe Asibi do vírus da febre amarela (YFV, yellow fever virus), por meio de passagem seriada em cultura de tecido de embrião de galinha. Essa estirpe atenuada foi denominada 17D e vem sendo empregada até hoje para imunização em seres humanos.

3. Estrutura viral

A partícula dos flavivírus mede de 40 a 60 nm de diâmetro, possui um capsídeo proteico, com simetria icosaédrica, envolvido por um envelope lipídico onde estão inseridas pequenas proteínas de membrana e espículas de natureza glicoproteica. Tem como material genético RNA de fita simples.

4. Transmissão pela fêmea do mosquito

O vírus penetra pela pele, após inoculação pelo mosquito infectado, sendo replicado, inicialmente, nos linfonodos regionais. A seguir, dissemina-se via corrente sanguínea, a outros órgãos, como fígado, rins, medula óssea, sistema nervoso central, coração, pâncreas, baço e linfonodos.

No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus sp. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).

5. Patogênese

As lesões causadas estão relacionadas com o órgão onde ocorre a replicação viral, com consequente necrose celular. As lesões são mais proeminentes no fígado e nos rins, com destruição de grande quantidade de células parenquimatosas.

O fígado mostra-se aumentado de volume, e encontram-se alterações como necrose médio-zonal dos lóbulos hepáticos, esteatose e degeneração eosinofílica dos hepatócitos denotando a lesão hepática devido a apoptose das células.

Os rins apresentam-se aumentados de volume, com edema intersticial e discreto infiltrado inflamatório mononuclear. O epitélio tubular pode apresentar desde degeneração turva até franca necrose devido à coagulação sanguínea.

Além da lesão tecidual provocada pela propagação viral, o processo de coagulação sanguínea intravascular disseminada também pode desempenhar importante papel na fisiopatologia da doença.

6. Manifestações clínicas

Cerca de 85% dos casos da doença apresentam-se como formas clínicas benignas que evoluem para a cura, enquanto 15% desenvolvem quadros dramáticos com mortalidade em torno de 50%.

O período de incubação varia de 3 a 6 dias, e observa-se que a maioria das pessoas infectadas por esse vírus apresenta infecção subclínica. Quando os sintomas ocorrem, aparecem de forma súbita, como febre alta, mal-estar, cefaleia, dor muscular, cansaço e calafrios, podendo também apresentar diarreia e vômito.

A maioria dos pacientes melhora após 4 dias, com recuperação total. No entanto, em aproximadamente 15% dos pacientes, depois desse período de remissão, os sintomas reaparecem evoluindo para uma forma grave da doença. Esses pacientes apresentam febre alta, dor epigástrica, diarreia e vômito, que pode ser hemorrágico, conhecido como vômito negro, além de outras manifestações hemorrágicas como equimoses, epistaxe e gengivorragia.

7. Icterícia

A replicação viral nas células de Kupffer (macrófagos hepáticos) leva à diminuição na taxa de formação de protrombina e à icterícia, entretanto uma resposta inflamatória é ausente ou fraca.

Os pacientes mostram alterações das funções hepáticas devido ao funcionamento inadequado do fígado, além de comprometimento renal, com diminuição do volume urinário que evolui para anúria total seguida de coma. Nos casos graves, 50% dos pacientes evoluem para óbito, e o restante se recupera totalmente sem deixar sequelas.

8. Isolamento e identificação viral

O material de escolha para isolamento viral é o sangue ou soro do paciente, coletado até o 4º dia da doença. A biópsia de fígado durante a doença é contraindicada devido a casos de hemorragia fatal observados em pacientes nos quais esse procedimento foi realizado.

O sangue ou soro podem ser inoculados em culturas de células de animais e em culturas de células de mosquito, camundongos recém-nascidos ou intratoracicamente em mosquitos.

A identificação pode ser feita por testes sorológicos, como teste de neutralização (TN), inibição da hemaglutinação (HI), fixação de complemento (FC), imunofluorescência (IF) e ensaio imunoenzimático (EIA).

9. Pesquisa de anticorpos

A sorologia produz resultados bem definidos quando realizada em pacientes expostos pela primeira vez a um flavivírus. No entanto, quando a pessoa foi exposta anteriormente a outro flavivírus, a reação é rápida e intensa em função da memória imunológica prévia.

Nesse caso, os anticorpos heterólogos são iguais ou mais elevados que os específicos, dificultando a interpretação das reações sorológicas. Podem-se realizar a sorologia pareada empregando teste de neutralização, inibição da hemaglutinação ou fixação do complemento, assim como a pesquisa de anticorpos específicos da classe IgM por imunofluorescência ou ensaio imunoenzimático.

10. Detecção do material genético viral

Para a detecção do ácido nucleico viral no sangue do paciente, pode ser utilizada a reação em cadeia da polimerase associada à reação de transcrição reversa (RT-PCR) convencional ou em tempo real e hibridização em microarranjos (microarray hibridization). A hibridização em microarranjos não é empregada ainda no diagnóstico de rotina.

Santos, Norma Suely de O.  Virologia humana. 3. ed. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015. | Imagens: Popular Science


Novo medicamento foi aprovado para tratamento de mieloma múltiplo

MM

Foi publicado pela ANVISA, o registro de um novo medicamento para o tratamento da neoplasia hematológica.

O medicamento Dalinvi® tem como princípio ativo a substância daratumumabe e foi aprovado para o tratamento do mieloma múltiplo (MM).

Mieloma múltiplo

O MM é uma neoplasia hematológica incurável, caracterizada pela proliferação de plasmócitos patológicos clonais na medula óssea (MO). Os pacientes comumente apresentam dano tecidual cujas alterações decorrentes são conhecidas pelo acrônimo “CRAB”: C: hipercalcemia; R: insuficiência renal; A: anemia; e B (da palavra inglesa para osso, bone): lesões osteolíticas.

O MM acomete principalmente indivíduos a partir da sexta década de vida, representa 10% de todos os cânceres hematológicos e 1% de todos os tipos de câncer nos Estados Unidos e Europa.

A célula do MM é um plasmócito maduro que passou por um processo de recombinação do gene da imunoglobulina, mudança de classe e hipermutação somática, com múltiplas alterações cromossômicas estruturais, e se alojou na MO.

As principais manifestações clínicas presentes no MM são decorrentes de algumas características como infiltração da MO, deficiência de imunoglobulinas normais e excesso de proteína monoclonal (PM).

A infiltração da MO por plasmócitos clonais pode causar anemia, além de contribuir para a doença óssea e as infecções, devido à neutropenia secundária. A redução da quantidade de imunoglobulinas normais também contribui para as infecções recorrentes no MM.

A hipercalcemia, causada pelo aumento da atividade de osteoclastos e inibição de osteoblastos, assim como o excesso de PM, são responsáveis pelo quadro de insuficiência renal.

Daratumumabe

O daratumumabe foi aprovado na Anvisa para duas indicações terapêuticas específicas:

  • Em combinação com bortezomibe e dexametasona, para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos um tratamento prévio;
  • Em monoterapia, para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos três linhas de tratamento prévio, incluindo um inibidor de proteassoma e um agente imunomodulador, ou que foram duplamente refratários a um inibidor de proteassoma e um agente imunomodulador.

O daratumumabe é um anticorpo monoclonal humano IgG1 kappa que se liga à proteína CD38 expressa em nível alto na superfície de células em diversas doenças hematológicas malignas, incluindo células tumorais de mieloma múltiplo, assim como outros tipos de células e tecidos em vários níveis.

A proteína CD38 tem várias funções tais como adesão mediada ao receptor, sinalização e atividade enzimática. O daratumumabe mostrou ser um inibidor potente do crescimento in vitro de células tumorais que expressam CD38. 

O Dalinvi (daratumumabe) foi registrado na Anvisa como produto biológico novo, ou seja, é um medicamento biológico inédito no país

Fonte: Portal ANVISA


Guia do calouro de Biomedicina 2017

 
Calouro de Biomedicina

Se você está lendo esse post é por que passou no vestibular/SISU e está dando o primeiro passo na sua carreira como Biomédico. Sei que foi difícil chegar até aqui, então agora sinta-se um vitorioso.

Caso ainda esteja em dúvida na escolha da faculdade, clique aqui e veja como escolher uma instituição para cursar Biomedicina.

Vamos começar falando das matérias, já que muitos me perguntam se no curso tem muitas contas, química, física, entre outras.

A grade curricular varia entre as instituições, mas a maioria tem matemática, química e biofísica. Essas matérias assustam muitos estudantes, mas são essenciais na sua formação acadêmica. Não tem como fugir.
 
No meu ponto de vista, química é uma das mais importantes, visto que ela é a base para outras matérias. Também temos anatomia, mas não fazemos dissecação.
 
Clicando aqui você conhece as principais disciplinas estudadas em Biomedicina.

 
Se você tem interesse em pesquisa científica, verifique se na sua instituição existem programas de Iniciação Científica (IC) e participe de algum projeto de pesquisa oferecido, pois essas atividades contam pontos no seu Currículo Lattes.
 
Plataforma Lattes é o banco de dados mais completo dos acadêmicos, pesquisadores e acadêmicos da área de Ciência e Tecnologia do Brasil. Participar e organizar eventos, realizar monitoria, produzir artigos científicos, entre outros, também são levados em consideração. Então, não deixe de fazer o seu currículo e mantê-lo atualizado.
 
A IC é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação, potencialmente mais promissores, na pesquisa científica. É a possibilidade de colocar o aluno desde cedo em contato direto com a atividade científica e engajá-lo na pesquisa.
 
Clique aqui para saber mais sobre a Biomedicina no campo da pesquisa científica.
 
 
É comum os estudantes começarem a fazer biomedicina e achar que vão poder trabalhar apenas em laboratórios e realizar análises clínicas. De fato, as análises clínicas é a área que concentra, atualmente, a maioria dos profissionais biomédicos do Brasil. Porém, a biomedicina avançou muito nas últimas décadas, e hoje você pode escolher uma habilitação (ou mais) dentre mais de 35 disponíveis, todas regulamentadas pelo Conselho Federal de Biomedicina (CFBM).
 
Existem áreas com boa remuneração e que não têm tanta concorrência, como acontece com as análises clínicas. São exemplos: reprodução humana, biomedicina estética, epidemiologia, imagenologia, circulação extracorpórea (perfusão), entre outras.
 
Dica. Veja qual, ou quais, matéria você tem mais afinidade durante o curso. Provavelmente essa será a sua escolha de habilitação.

Saiba quais são as formas de conseguir sua habilitação na biomedicina: biomedicinapadrao.com.br/habilitações.
 

Fonte: CRBM-1
 
Além dessas habilitações “oficiais”, existem algumas áreas em que o biomédico pode trabalhar, mas que não estão na lista, como por exemplo, perícia criminal, assessoria científica, assuntos regulatórios, controle de qualidade, área comercial (vendas), entre outras.
 
Com o passar dos semestres as aulas práticas vão aumentando. No começo não são muitas. Mas já providencie seu jaleco, seus óculos, máscaras e caixas de luva, que são Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).
 
Você ainda vai ouvir muito isso, mas já aviso: use sapato e roupas fechados quando estiver nos laboratórios. Você vai aprender mais nas aulas de Biossegurança. Mulheres devem prender os cabelos e nada de maquiagem, nem adornos, como brincos e anéis.
 
Confira aqui o preço, em média, desses acessórios:
 
 
Busque novas fontes de informação, não fique limitado apenas nas suas aulas. Compre livros, busque sites interessantes, busque vídeos demonstrando o que você aprendeu na teoria, pois fica mais fácil de aprender.
 
Faça cadastro nos sites de estágio, como o CIEE e IEL. Atualize seu perfil com frequência e fique de olho nas vagas que surgirem. Quanto mais estágios você fizer, melhor. Se não conseguir através desses sites, tente ser voluntário na área desejada.
 
Quanto mais cedo você começar a se empenhar, mais chances de sucesso no mercado de trabalho, e até mesmo na faculdade.
 

Por esse e-book você vai poder conhecer um pouco da história da biomedicina, como por exemplo o motivo da criação do curso. Vai saber também quais características da instituição de ensino deve-se analisar na hora de escolher o curso de biomedicina.

Fique sabendo quais as principais disciplinas estudadas na biomedicina. Tenha uma visão geral de como é o curso, como funcionam as aulas, estágios, TCC etc. Tem dúvidas de quais são as habilitações do biomédico e como fazer para conseguir a sua? Nesse e-book você encontra.

Além disso tudo, tem salários e dicas para você não ficar para trás e fazer a diferença na biomedicina.

<clique aqui para baixar>

Ouça o Biomedcast

O Biomedcast é um podcast que trata de assuntos relacionados à Biomedicina, Ciência e Saúde. Buscamos sempre produzir um conteúdo de boa qualidade, a fim de orientar nossos ouvintes sobre os temas abordados e disseminar o conhecimento científico e a biomedicina através da internet.

Acesse www.biomedcast.com

 


2 vagas para Biomédico em Balsa Nova – PR

O Processo Seletivo Simplificado é destinado a selecionar profissionais para atuarem em estabelecimentos de Saúde de Balsa Nova, exclusivamente para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, e consistirá em prova de títulos referentes a escolaridade, tempo de serviço e aperfeiçoamento profissional.

Quantidade

2 vagas em caráter temporário (6 meses), podendo ser prorrogado.

Carga horária

40 horas semanais.

Lotação

Secretaria Municipal da Saúde - Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde – SUS – Rede Municipal de Saúde – Unidades Básicas de Saúde – Hospital - outras instituições integrantes da Rede Municipal de Saúde.

Remuneração

R$ 3.094,12.

Inscrição

De 23/01/2017 a 27/01/2017 – das 8:30 às 11:30 e 13h às 16:30h.

Link para o Edital


2 vagas para Biomédico na residência multiprofissional da Universidade do Estado do Pará (2017)

Residência Biomédico UEPA

A Universidade do Estado do Pará - UEPA e Hospitais Associados – Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna; Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência; Hospital Ophir Loyola e Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, Hospital Regional do Baixo Amazonas Dr. Waldemar Penna – Santarém e Fundação de Hemoterapia e Hematologia do Pará através do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde/CCBS/UEPA, tornam público que estão abertas as inscrições ao Processo Seletivo para o preenchimento de vagas no Programa de Residência Multiprofissional e Uniprofissional em Saúde para Belém e Santarém e Uniprofissional em Saúde para Belém, exclusivamente para início no ano de 2017.

Área de concentração

Hematologia e hemoterapia (Belém - PA).

Vagas

2 vagas.

Requisitos

  • Graduação em biomedicina;
  • Registro no conselho de classe;
  • Não ter vínculo empregatício.

Duração e carga horária

Os programas de Residência em Área Profissional de Saúde e Multiprofissional seguem as diretrizes do Ministério da Educação, portanto, são desenvolvidos em regime de dedicação exclusiva, com duração de 24 meses, com carga horária total de 5.760 horas, sendo 80% voltadas para a prática em serviço (4.608 horas) e 20% teórico-práticas (1.152 horas).

A carga horária é cumprida em jornada de 60 horas e uma folga semanal, programadas em calendário disponibilizado mensalmente.

Bolsa

Em acordo com legislação vigente será paga aos residentes uma bolsa mensal no valor de R$ 3.330,43.

Inscrições

Até 19 de janeiro de 2017.

Taxa: R$ 200,00.

Link para o edital 2017


4 vagas para Biomédicos na Polícia Científica do Paraná

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO DA POLÍCIA CIENTÍFICA DO ESTADO DO PARANÁ torna público o Edital que estabelece as instruções especiais para a realização de Concurso Público, com provimento de 54 (cinquenta e quatro) vagas para o Quadro Próprio dos Peritos Oficiais do Estado do Paraná – QPPO.

Cargo

Cargo: Perito Oficial

Função: Químico Legal, Toxicologista e Perito Criminal.

Vagas

2 vagas para Perito Criminal – Área 2.

1 vaga para Químico legal.

1 vaga para Toxicologista.

Requisitos

Perito Criminal – Área 2: Graduação de nível superior em Farmácia, Biomedicina, Química ou Engenharia Química fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação. Carteira Nacional de Habilitação B.

Químico legal: Graduação em Farmácia ou Biomedicina. Carteira Nacional de Habilitação B.

Toxicologista: Graduação em Farmácia ou Biomedicina. Carteira Nacional de Habilitação B.

Remuneração

R$ 9.264,57.

Carga horária

40 horas por semana.

Inscrição

Taxa: R$ 140,00

Período: de 17/01 a 23/02/2017

Link para o Edital


Confira o valor da anuidade dos conselhos para 2017

Anuidade CRBM 2017

A resolução nº 269 do conselho federal vem fixar os valores das anuidades - pessoa física e jurídica - para o ano de 2017.

Valor

O valor da anuidade para Biomédicos (pessoa física) é R$490,00 e tem vencimento em 31 de março de 2017. O valor para pessoa jurídica depende do capital social registrado.

Lembrando que, agora, o Biomédico recém-formado, a partir da colação de grau, no primeiro ano de sua inscrição, terá um desconto de 50% na sua anuidade. No ano seguinte o valor volta a ser o mesmo estipulado nacionalmente (saiba mais aqui).

Pagamento

Há várias opções de pagamento:

  • Até 31/01/2017 em parcela única, com desconto de 10%;
  • Até 27/02/2017 em parcela única, com desconto de 5%;
  • Até 31/03/2017, em parcela única, sem desconto;

A anuidade também poderá ser quitada em até cinco parcelas, sem descontos, com vencimentos em 31/01, 27/02, 31/03, 28/04 e 31/05/17.

Aumento

Em 2016 o valor da anuidade foi de R$ 450,00 para Biomédicos (pessoa física). Houve aumento de R$ 40,00.

Confira no gráfico abaixo a evolução dos valores das anuidades, de 2008 até o presente ano.

Anuidades CRBM

Leia aqui a resolução na íntegra


Como é a vida amorosa de um estudante de biomedicina

Vinícius é estudante de biomedicina, e está tentando achar sua alma gêmea.

IMG-20161201-WA0031

IMG-20161201-WA0030

IMG-20161201-WA0028

IMG-20161201-WA0027

IMG-20161201-WA0023

IMG-20161201-WA0026

IMG-20161201-WA0029

IMG-20161201-WA0024

IMG-20161201-WA0022

IMG-20161201-WA0025

IMG-20161201-WA0021

IMG-20161201-WA0019

IMG-20161201-WA0020

Imagens: Vinícius Pimentel


Biomédicos da 3ª Região terão nova cédula profissional

Nova cédula Biomédico 3 Região 

O conselho de biomedicina da 3° Região (Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso e Distrito Federal) lançará em 2017 a nova Cédula de Identidade Profissional do Biomédico.

A nova cédula será confeccionada em cartão rígido, com um avançado sistema antifraude e chip criptográfico para certificação digital. Segundo nota publicada no site do conselho: “o uso desta tecnologia tornou o documento mais atualizado e adequado aos dias de hoje”.

Para quem não sabe, em 2015 foi publicada a Resolução nº 30, de 24 de julho, da Anvisa.

Clique aqui para ler a resolução na íntegra.

Essa resolução alterou a tão conhecida RDC 302 e estabeleceu que o laboratório clínico e o posto de coleta laboratorial devem garantir a autenticidade e a integridade do laudo emitido.

Para isso acontecer, a assinatura do profissional que liberou o exame deve ser manuscrita ou em formato digital, com utilização de processo de certificação na forma disciplinada pela Medida Provisória n.º 2.200-2/2001.

Ela já está em vigor. Então se você é o responsável pela assinatura e liberação dos laudos no laboratório clínico em que trabalha, deve estar adequado às novas exigências.

Para utilizar a certificação digital da nova cédula profissional do biomédico nos sistemas de informação, o profissional deve procurar uma Autoridade Certificadora capaz de inserir o certificado digital padrão.

Não há informações de quando a cédula começará a ser produzida, nem se haverá algum custo para os biomédicos inscritos ou para novos inscritos.

Fonte: CRBM-3 | Imagem: Divulgação CRBM-3


Análise das vagas para Biomédico em concursos públicos no Brasil (2014-2016)

Análise das vagas para Biomédico em concursos públicos no Brasil (2014-2016)

Desde que comecei o blog, a divulgação de vagas de emprego para biomédicos era um dos meus objetivos.

Após vários anos, o blog acumulou muitas informações interessantes, por isso resolvi fazer uma análise das vagas de emprego para biomédico em concursos públicos (municipais, estaduais e federais) que foram divulgadas aqui, e apresentar a vocês um panorama de como está o salário e carga horária do biomédico em nosso país.

Para isso, consultei os posts em que divulguei as vagas em concursos, no período de janeiro de 2014 a dezembro de 2016, tabulando os dados em planilha eletrônica.

Confira a seguir o resultado.

Quantidade de vagas

Entre janeiro de 2014 e dezembro de 2016, foram anunciadas no blog, 1.284 vagas para biomédicos em concursos públicos em todas as regiões do Brasil, em diversas áreas da biomedicina. A média anual foi de 642 vagas.

No gráfico a seguir você confere a quantidade de vagas por área. As duas áreas com mais vagas ofertadas foram a Perícia Criminal e as Análises Clínicas.

Áreas

Os editais com mais vagas abertas foram para a área de perícia criminal. Na região Sudeste foram ofertadas 447 vagas e na região Centro-Oeste, 250 vagas. Todos em nível estadual. Vale ressaltar que, apesar de as vagas na perícia criminal não serem exclusivas do biomédico, o mesmo pôde concorrer a todas.

Em Análises Clínicas, dois editais foram os que mais ofereceram vagas: um na região Centro-Oeste, com 60 vagas; outro na região Norte, com 169 vagas.

As regiões Sudeste e Centro-Oeste concentraram 67,6% da quantidade de vagas no país.

Vagas por Região

Os órgãos estaduais foram os que mais publicaram editais com vagas para biomédicos no período, correspondendo a 87,4%.

Tipo de concurso

Remuneração e carga horária

A média salarial nacional para o biomédico foi de R$ 3.863,62, sem levar em consideração a carga horária semanal.

A menor remuneração foi de R$ 1.459,49, em um concurso na região Nordeste que ofertou 12 vagas em Análises Clínicas por 24 horas semanais. A maior remuneração foi de R$ 8.600,00 por 40 horas semanais, num concurso da região Centro-Oeste que ofereceu 5 vagas para Perfusionistas.

No gráfico abaixo você confere a média salarial de acordo com a região. Apesar de o Sul ofertar menos vagas, foi a região com a maior média de remuneração. As regiões Norte e Nordeste ficaram com as menores médias salariais para o biomédico.

Média salarial

No gráfico abaixo você pode observar a média, os menores e maiores salários de acordo com as esferas municipal, estadual e federal.

Percebe-se que os concursos municipais geralmente ofertam vagas para biomédicos com uma remuneração menor. Na esfera estadual, os concursos apresentam uma grande variação salarial. Já nos federais, as remunerações não variam tanto como nas outras esferas e a média é a maior das três.

Salário por Esfera

A maior remuneração no Brasil, em relação à carga horária, foi de R$ 5.922,04 para apenas 20 horas semanais em um concurso estadual da região Norte. Já um concurso municipal da região Centro-Oeste, ficou com a menor remuneração em relação à carga horária, oferecendo apenas R$ 1.706,57 por 40 horas semanais.

Como pode ser visto no gráfico abaixo, a carga horária semanal mais frequente foi a de 40 horas, correspondendo a 65% de todos os editais.

Carga horária

Conclusão

Podemos perceber que a média salarial das vagas para biomédicos em concursos públicos é maior que na rede privada, e que existe diferença se o concurso é federal, estadual ou municipal.

Vale lembrar que esses salários são iniciais, e que muitas instituições/órgãos de saúde possuem plano de carreira e pagam pela insalubridade, o que aumenta mais a remuneração do profissional.

Outro ponto importante é o nível de formação do biomédico. Em muitos casos, quem tem doutorado, por exemplo, irá receber mais do que um biomédico com mestrado.