Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

PCR - Reação em Cadeia da Polimerase

No Biomed Express de hoje falamos sobre a Polymerase Chain Reaction (PCR), ou, no belo português, Reação em Cadeia da Polimerase.

O advento da biologia molecular foi certamente um dos maiores passos das ciências biológicas durante o Século XX.

A descoberta da PCR trouxe enormes benefícios e desenvolvimentos científicos como o sequenciamento de genomas, a expressão de genes em sistemas recombinantes, o estudo de genética molecular, a determinação rápida da paternidade e o diagnóstico rápido de doenças infecciosas.

Fizemos um panorama sobre a definição, histórico e princípios desta técnica extremamente essencial para o desenvolvimento científico mundial. Ela é a base para diversas descobertas que brilharam nos últimos anos, como por exemplo a mais recente, CRISPR-Cas9.

Baixar mp3

Gostou? Curte aí a página do Biomedcast no Facebook: facebook.com/biomedcast

Clique aqui para ouvir no seu iPod, iPhone e iPad

Acesse o site: www.biomedcast.com


III Congresso Baiano de Biomedicina e IV Congresso Baiano de Análises Clínicas

Vem aí o  III Congresso Baiano de Biomedicina & IV Congresso Baiano de Análises Clínicas.

Será nos dias 11, 12 e 13 de novembro de 2016, no Olimpo (anexo da Unidade de Ensino Superior de Feira de Santana-UNEF) localizado em Feira de Santana - Bahia.

Os valores do 1º lote de inscrições é de 70 reais para estudantes e 120 para profissionais, sendo que as inscrições nos minicursos são opcionais. O valor do minicurso é 30 reais.

Haverá apresentações de trabalhos científicos, além de mesas redondas e palestras com grandes nomes da saúde como professor Gúbio Soares, o descobridor do Zika vírus no Brasil e Alexander Birbair, o primeiro biomédico capa da revista Science.

Facebook: III CBBM & IV CBAC

Evento no Facebook


2 vagas para Biomédico na Residência Multiprofissional do Hospital de Câncer de Barretos (2017)

Residência Biomedicina Hospital de Câncer de Barretos

A Fundação Pio XII - Hospital de Câncer de Barretos, no uso de suas atribuições legais, torna público e estabelece as normas do Processo Seletivo para o preenchimento das vagas do PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO AO CÂNCER 2017.

Área de concentração

Atenção ao câncer.

Vagas

2 vagas para biomedicina.

Requisitos

  • Graduação em biomedicina;
  • Registro no conselho de classe;
  • Não ter vínculo empregatício.

Duração e carga horária

Os programas de Residência em Área Profissional de Saúde e Multiprofissional seguem as diretrizes do Ministério da Educação, portanto, são desenvolvidos em regime de dedicação exclusiva, com duração de 24 meses, com carga horária total de 5.760 horas, sendo 80% voltadas para a prática em serviço (4.608 horas) e 20% teórico-práticas (1.152 horas). A carga horária é cumprida em jornada de 60 horas e uma folga semanal, programadas em calendário disponibilizado mensalmente.

Bolsa

Em acordo com legislação vigente será paga aos residentes uma bolsa mensal no valor de R$ 3.330,43.

Inscrições

De 15 de agosto a 26 de dezembro 2016

Taxa: R$ 250,00

Link para o edital


6 vagas na Residência Profissional em Diagnóstico por Imagem do Hospital Sírio-Libanês (2017)

Residência Diagnóstico por Imagem Sírio Libanês

A Residência em Biomedicina no Diagnóstico por Imagem - ênfase em Ressonância Magnética e Tomografia Computadorizada - possuí como objetivo qualificar os profissionais que buscam se preparar para o mercado de trabalho, proporcionando uma formação não apenas técnica e teórica, mas também nos aspectos humanos e multidisciplinares através da prática em ambiente clínico.

Especializar profissionais biomédicos, considerando o desenvolvimento articulado de capacidades cognitivas, habilidades e atitudes relacionadas à prática da biomedicina no diagnóstico por imagem em Ressonância Magnética e Tomografia Computadorizada, fundamentada nas melhores evidências visando à melhoria da eficiência, da eficácia e da efetividade dos serviços de saúde com qualidade e segurança.

Os programas de Residência em Área Profissional de Saúde e Multiprofissional seguem as diretrizes do Ministério da Educação, portanto, são desenvolvidos em regime de dedicação exclusiva, com duração de 24 meses, com carga horária total de 5.760 horas, sendo 80% voltadas para a prática em serviço (4.608 horas) e 20% teórico-práticas (1.152 horas). A carga horária é cumprida em jornada de 60 horas e uma folga semanal

Vagas

São oferecidas 6 (seis) vagas para Biomedicina.

Inscrições

Período: até dia 13 de outubro de 2016.

Valor: R$ 300,00.

Duração

O programa tem duração de dois anos.

Subsídio financeiro

Será oferecido um subsídio financeiro ao residente, durante toda a duração do programa.

Locais de realização das provas

Belém – PA, Belo Horizonte – MG, Brasília – DF, Fortaleza – CE, Porto Alegre – RS, Rio de Janeiro – RJ, Salvador – BA e São Paulo – SP.

A segunda fase será realizada, unicamente, no Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, no estado de São Paulo.

Link para o edital | Fazer inscrição


5 vagas de estágio para estudantes de Biomedicina

O DB - Diagnósticos do Brasil é o primeiro laboratório brasileiro 100% de apoio.

É necessário estar cursando do 5º ao 7º período.

O estagiário irá atuar em todas as seções do laboratório.

O período de estágio é de manhã e a tarde, sendo a carga horária diária 6 horas.

Os benefícios são bolsa, refeição e transporte.

Interessados podem enviar o currículo com histórico escolar para o e-mail: rh@dbdiagnosticos.com.br

No assunto do e-mail: DBestagio.

Inscrições até o dia 31/08.

Local: São José dos Pinhais – PR.


Aproveite para ouvir a entrevista que nós, do Biomedcast, fizemos com o co-fundador do DB, Dr. Marcelo Ruiz, e conhecer mais sobre um dos maiores laboratórios do Brasil:

Baixar mp3


Agonismo e antagonismo molecular

Texto escrito por Carolina Nobre

Você sente até calafrios quando ouve falar em farmacologia ou fisiologia? Muitos cursos de Biomedicina tem a disciplina de farmacologia básica, e alguns até a médica, sem contar a fisiologia que depende muito dessas disciplinas.

Hoje, vamos conhecer os conceitos de agonismo e antagonismo.

Primeiro, imaginemos uma célula com uma proteína de membrana que age como um receptor, ou seja, determinadas moléculas específicas se ligam a ele para que uma resposta intracelular seja desencadeada e então, exercer o efeito desejado.

Essas moléculas que se ligam ao receptor podem exercer atividades agonistas ou antagonistas.

Uma forma mais fácil de entender esse princípio é pensando em algo que os nossos colegas educadores físicos sabem bem. Para que os nossos movimentos sejam coordenados, temos músculos que também são agonistas e antagonistas. Dessa forma, o músculo agonista é aquele que favorece o movimento, e o antagonista é o que exerce a ação “antagônica”, ou seja, contrária ao movimento, atuando ambos em direções opostas.

Por exemplo, toque no seu ombro direito com a mão direita. Perceba que o bíceps neste caso, é o músculo agonista, uma vez que favorece o movimento, e o tríceps é o antagonista.

Dessa forma, uma vez que entendemos este principio, fica fácil entender as definições.

Agonista é uma determinada molécula que se liga através de interações químicas a um determinado receptor (que pode ser específico para esta molécula ou não), e desencadeia respostas celulares a fim de exercer um determinado efeito.

Como exemplo, temos que na junção neuromuscular, quando há uma liberação de acetilcolina na fenda sináptica, ela se liga aos seus receptores (que neste caso, são chamados de nicotínicos), promovendo a abertura de canais de sódio do tipo voltagem-dependente, gerando um potencial de ação que se propaga ao longo do sarcolema e tendo como consequência a liberação de Ca2+ do retículo sarcoplasmático para que ocorra a contração muscular.

Já o antagonista é uma molécula que vai se ligar a este receptor e impedir que a célula desencadeie toda essa resposta.

Tipos de antagonismos

E para para exercer tal função, temos diversos tipos de antagonismo:

Antagonismo competitivo – a molécula atua se ligando no mesmo sítio de ligação do receptor que o agonista se ligaria. Assim, ele ocupa o espaço e não deixa que ocorra a ligação agonista/receptor.

Antagonismo alostérico – toda proteína possui um sítio ativo, que é o local onde ela reconhece o seu substrato. Como os receptores (neste caso), são proteínas transmembrana, o antagonismo alostérico acontece quando uma molécula se liga em outro local da proteína (que não seja o sítio ativo), provocando uma mudança na conformação da estrutura proteica, o que faz com que ocorra uma redução da afinidade do receptor pelo agonista.

Antagonismo parcial – a molécula se liga a poucos receptores que são bastante específicos para ela, porém outros receptores não tão específicos ficam livres. Dessa forma, o efeito do agonista não é completamente anulado. Já o agonista total atua em diversos tipos de receptores, fazendo com que os efeitos do agonista não sejam manifestados.

Antagonismo reversível –  o efeito das moléculas antagonistas é revertido quando há grandes quantidades de moléculas agonistas; já no antagonismo irreversível há inibição do efeito dos agonistas, independentemente da quantidade desses.

Agonismo inverso

Temos também um conceito um pouco mais complicado de entender, que é o agonismo inverso.

Primeiramente, precisamos lembrar que as células estão funcionando a todo o momento, ocorrendo o que chamamos de atividade constitutiva do receptor, em que mesmo na ausência de qualquer ligante, ele desempenha funções basais.

Digamos que um fármaco que atua como agonista liga-se a esse receptor; o efeito dessa ligação seria aumentar essa atividade constitutiva, e o antagonista iria mantê-la em níveis basais.

O agonista inverso seria a molécula que diminuiria ainda mais a atividade basal, fazendo com que a célula exerça determinadas tarefas com níveis abaixo do basal e, de certa forma, também ocuparia o sítio de ligação do agonista.

Como vimos, muitas moléculas endógenas do nosso organismo, e determinados fármacos, vão agir em todas as células correspondentes para provocar os mais diversos efeitos.

Espero que eu tenha ajudado um pouco. Até a próxima!

Aires, Margarida de Mello. Fisiologia. Guanabara Koogan, 4ª Ed., 2012.

Texto escrito por Carolina Nobre, Biomédica, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Fisiologia e Farmacologia) da Universidade Federal de Goiás.


Os 5 exames laboratoriais mais caros

Untitled-1

Segurem suas carteiras e escondam seus porquinhos de dinheiro. No Biomed Express #6, fizemos um TOP 5 do exames laboratoriais MAIS CAROS que existem no Brasil.

Quanto vocês acham que custa em média cada análise? R$ 2 mil? R$ 4 mil? A soma disso vezes 3? Pra descobrirem, só ouvindo o cast.

Ouça:

Baixar mp3

Gostou? Curte aí a página do Biomedcast no Facebook: facebook.com/biomedcast

Clique aqui para ouvir no seu iPod, iPhone e iPad

Acesse o site: www.biomedcast.com


2º Simpósio de Ciências Biomédicas FMRP/USP

2º Simpósio de Ciências Biomédicas FMRP-USP

Após o sucesso da primeira edição, o 2º Simpósio de Ciências Biomédicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto está ainda mais estruturado para proporcionar dois dias de pura ciência.

O simpósio contará com 8 palestras cujos temas envolverão diferentes visões sobre a ciência contemporânea, como por exemplo: ciência e sociedade, gerenciamento da vida acadêmica, interface entre ciências e arte, experiências de um cientista, divulgação científica, entre outros.

Além disso, também haverá uma mesa redonda com docentes e profissionais das melhores universidades brasileiras que estarão abertos para discussões e debates científicos e haverá um espaço para apresentações orais de trabalhos previamente selecionados, com posterior apresentação de banners.

Esse evento é ideal para os estudantes das áreas de ciência, profissionais, docentes e qualquer pessoa que se interesse pelo assunto.

O principal objetivo do simpósio é, além de promover uma integração acadêmica através do compartilhamento de experiências e ensinamentos, fazer com que os participantes saiam com ainda mais vontade de fazer ciência!

O evento será realizado nos dias 24 e 25 de outubro no Espaço de Eventos do Bloco Didático da FMRP, campus USP em Ribeirão Preto.

As inscrições vão até dia 30 de setembro, já o envio de resumos para apresentação de pôsteres e oral, até dia 15 de agosto.

Site: simposiocb.wixsite.com/home

Facebook: facebook.com/simposiocb


Biomédica nas Olimpíadas e doping esportivo

Confira o bate-papo que tivemos com a Biomédica especialista com doping esportivo, Lara Duarte.

Ela trabalha como DCO (doping control officer ou oficial de controle de dopagem) e BCO (bloog collector officer ou oficial de coleta de sangue) para a agência do governo federal, conhecida por ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem), que é ligada ao Ministério do Esporte, para a agência americana responsável pelo UFC no Brasil (USADA - United States Anti-Doping Agency) e é credenciada também como oficial para a CBF e a FIFA.

Atualmente, Lara está trabalhando nos Jogos Olímpicos e falou bastante coisas interessantes sobre o evento. Confira!

Biomedcast #39

Baixar mp3

Gostou? Curte aí a página do Biomedcast no Facebook: facebook.com/biomedcast

Clique aqui para ouvir no seu iPod, iPhone e iPad

Acesse o site: www.biomedcast.com


Como conseguir Iniciação Científica na Biomedicina

IC

Texto escrito por Carolina Nobre

Entrou na Biomedicina e quer fazer iniciação científica? Confira algumas dicas de como conseguir entrar para o mundo da pesquisa científica.

Muitas pessoas decidem entrar para o curso de Biomedicina pensando na parte de análises clínicas (uma das habilitações mais populares), mas há também aqueles que sempre sonharam em ser cientistas e veem no curso uma grande possibilidade para alcançar este objetivo.

Mas o fato é que no decorrer dos quatro ou cinco anos, cada um sente uma afinidade maior por determinada área, uns já no início e outros até mesmo depois de formados, afinal são 36 habilitações fantásticas para nos deixar indecisos.

Para quem estuda em alguma universidade federal ou particular que é forte na área de pesquisa científica, o contato com este mundo já ocorre nos primeiros períodos. Além do incentivo dos professores, sempre há aulas práticas em laboratórios ou algum colega que desde o início do curso conseguiu algum estágio, nos fazendo despertar um interesse maior para essa área.

Nas federais há também o programa Jovens Talentos Para a Ciência, que seleciona alunos do primeiro período de vários cursos que queiram ingressar na área científica, e além da oportunidade de estagiar em um ótimo laboratório de sua escolha, você recebe uma ajuda de custo do governo.

No decorrer do curso, também é comum que você sinta uma afinidade maior por determinado professor ou disciplina e até mude de opinião referente à área que gostaria de atuar. Não fique triste se isso acontecer; é sempre bom estar mudando de opinião, um sinal de que você tem a cabeça aberta a novas possibilidades.

Quando isso acontecer, procure conversar com outro professor e ver se ele trabalha em alguma linha de pesquisa, para que você conheça o seu laboratório. Converse também com os seus colegas e mantenha um bom relacionamento com eles. Muitas vezes, eles podem saber de algum laboratório que tenha a ver com você.

O trabalho de conclusão de curso (TCC) que é exigido por muitas universidades e faculdades, também é uma grande chance para que você procure um (a) orientador (a) e saiba melhor no que ele trabalha. Além disso, grande parte dos alunos de iniciação científica recebem propostas para fazer um mestrado quando se formarem.

Sou de uma faculdade particular que não tem estrutura para pesquisas científicas, e agora?

Não se preocupe, fique sempre atento aos sites da universidade onde você pretende estagiar, porque muitas vezes as vagas são anunciadas por lá. Nesses sites também é possível ver os e-mails para contato e linhas de pesquisas dos professores.

Uma grande dica é: não tenha medo! Não se menospreze!

Alguns alunos brilhantes de faculdades particulares acham que por estudarem em uma instituição menor, será mais difícil de conseguir uma iniciação científica, o que não é verdade. Basta você conversar com seus professores, que podem conhecer alguém que trabalhe com pesquisa, mostrar seu interesse e pedir ajuda.

Ao contrário do que muitos dizem, você pode sim estagiar no laboratório de uma universidade federal, basta que o professor responsável pelo laboratório autorize, como qualquer outro aluno. Te garanto que você será muito bem-vindo (a) e terá muitas oportunidades de ganhar o seu espaço lá dentro.

Bolsa

E como se já não fosse muito bom estagiar no lugar que você sempre sonhou, você sabia que pode ganhar uma bolsa para isso?

“O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) visa apoiar a política de Iniciação Científica desenvolvida nas Instituições de Ensino e/ou Pesquisa, por meio da concessão de bolsas de Iniciação Científica (IC) a estudantes de graduação integrados na pesquisa científica. A cota de bolsas de (IC) é concedida diretamente às instituições, estas são responsáveis pela seleção dos projetos dos pesquisadores orientadores interessados em participar do Programa. Os estudantes tornam-se bolsistas a partir da indicação dos orientadores.”

Ter uma ajuda financeira é uma excelente oportunidade para muitos acadêmicos que estudam em tempo integral, o que praticamente impossibilita ter algum emprego ou estágio remunerado. Sabemos que não fica barato se alimentar na faculdade e pagar o transporte todos os dias.

Depois de escolher o lugar onde deseja fazer sua iniciação científica, certifique-se que você terá um bom relacionamento com seu professor orientador e colegas de laboratório. Peça para conhecer o laboratório, deixe claro os dias e horários que você poderá dedicar a tais atividades e, se possível, converse com as pessoas que já frequentam o local para entender como funciona a dinâmica.

Não se identificou com o lugar? Tudo bem, você ainda terá inúmeros lugares para conhecer.

Viu como não é difícil? Basta ser bastante esforçado e ter muita vontade de aprender. O importante é sempre mostrar interesse, ser bastante curioso e saber aproveitar todas as oportunidades existentes nesse maravilhoso mundo da pesquisa.

Texto escrito por Carolina Nobre, Biomédica, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Fisiologia e Farmacologia) da Universidade Federal de Goiás.