Como micro-organismos fagocitados são destruídos

Por Brunno Câmara - quinta-feira, julho 21, 2016


Curta nossa página ↓

Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Quando os fagócitos (neutrófilos e monócitos/macrófagos) estão ativados, eles destroem os micro-organismos em suas vesículas intracelulares, chamadas de fagossomos.

Os lisossomos se fundem com os fagossomos, formando o fagolisossomo. Enzimas NADPH oxidases que foram ativadas durante o processo de internalização do micro-organismo, convertem oxigênio molecular em ânion superóxido, peróxido de hidrogênio e radicais livres.

Agentes oxidantes

Os radicais livres são chamados de espécies reativas de oxigênio, e são tóxicos para o micro-organismo.

Em alguns fagócitos, a enzima mieloperoxidase catalisa a reação na presença de íon cloreto e peróxido de hidrogênio para produzir ácido hipocloroso (o que é basicamente a composição da água sanitária).

Todos esses agentes oxidantes tem potente atividade antimicrobiana, mas também causam danos aos tecidos, principalmente às células endoteliais. Sendo assim, existe um sistema antioxidante para proteger os tecidos, mas que pode ficar sobrecarregado durante episódios inflamatórios.

Alguns desses antioxidantes incluem vitamina E, catalase e glutationa peroxidase.

Óxido Nítrico

Uma enzima chamada sintetase indutora de oxido nítrico (iNOS), catalisa a conversão de arginina em óxido nítrico (NO).

O NO promove a vasodilatação e media o recrutamento de mais leucócitos para o local da inflamação. Ele reage com os radicas livres para produzir metabólitos reativos derivados de nitrogênio, que também têm atividades antimicrobianas.

Outros componentes

Outros componentes liberados pelos lisossomos leucocitários ajudam a destruir os invasores, como parte da resposta inflamatória.

Dentre eles estão peptídeos e proteínas catiônicas, como defensinas nos neutrófilos e proteína básica principal nos eosinófilos.

Estão presentes também proteases ácidas e neutras, esterases e nucleases.

Fonte: Abul K. Abbas, Andrew H. Lichtman e Shiv Pillai. Imunologia Básica. 4ª ed. | Imagem: Graham Colm

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior dos cursos de graduação em Biomedicina e Farmácia. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG (IPTSP-UFG). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.

  • Compartilhar:

Artigos relacionados

0 comentários

Não temos interesse em publicar nada que nos ofenda ou ofenda outros visitantes. Só são aprovados textos que valorizem o que fazemos aqui e que podem ajudar outras pessoas, agregando valor ao conteúdo. O comentário precisa ser útil!