Para fazer Biomedicina é preciso saber inglês?

Por Brunno Câmara - segunda-feira, junho 18, 2012


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits


O curso de Biomedicina não exige que os alunos tenham conhecimento em inglês. Porém, no meu ponto de vista, é essencial saber a língua inglesa, pois você já teria um diferencial.

Saber outra língua, principalmente o inglês, que é quase universal, abre uma gama de novas possibilidades.

As melhores revistas científicas, e seus sites, como a Science, Nature, Cell entre outras, são em inglês. Já pensou poder ler essas revistas e ficar sabendo tudo no mundo científico em primeira mão? Além de poder usar os artigos publicados como referência para seus trabalhos.

             Além da leitura, você tem a possibilidade de conseguir bolsas de intercâmbio em outros países. Aqui no Brasil temos o programa Ciência sem Fronteiras e saber falar, ler e escrever bem o inglês é um dos requisitos.

             O trabalho de conclusão de curso (TCC) do meu grupo foi baseado nos artigos em inglês (90%), pois não encontramos muitos em português. Se não soubessemos a língua inglesa, com certeza teríamos que mudar o tema.

Pós-graduação

Seja na especialização, mestrado ou doutorado, o inglês é bastante útil e necessário, pois encontramos muitos conteúdos que não estão disponíveis em português. Você torna-se um profissional com mais conhecimento, pois tem o auxilio desse imenso conteúdo “extra”.

Sem falar que no mestrado e doutorado é necessário fazer uma prova de inglês.

Mercado de trabalho

Se você for atuar em análises clínicas, quase não vai precisar muito do inglês. Mas como sei que vocês são expertos e vão escolher outras áreas da biomedicina, saber a língua é estar um passo na frente. Pois sabemos que hoje em dia o diploma de graduação não garante mais um excelente emprego.

Algumas áreas já o exigem naturalmente como a bioinformática, docência, biologia molecular, pesquisa, etc. Muitos aparelhos utilizados vêm com software em inglês. Não seria nada legal perder um emprego por causa de não saber entender o aparelho.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior dos cursos de graduação em Biomedicina e Farmácia. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG (IPTSP-UFG). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.

  • Compartilhar:

Artigos relacionados

0 comentários

Não temos interesse em publicar nada que nos ofenda ou ofenda outros visitantes. Só são aprovados textos que valorizem o que fazemos aqui e que podem ajudar outras pessoas, agregando valor ao conteúdo. O comentário precisa ser útil!