Valores de referência em análises clínicas são confiáveis?

Por Brunno Câmara - terça-feira, fevereiro 17, 2015


Curta nossa página ↓

Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Valores de Referencia

Estabelecer valores de referência pode ser considerado tedioso e uma tarefa subestimada. Os resultados dos exames laboratoriais, e consequentemente os valores de referência aos quais eles são comparados, são dependentes de muitos fatores, inlcuindo etnia, idade, gênero, dieta, peso, uso de cigarros e afins, medicamentos, ritmos diurnos e sazonais, estado reprodutivo (estágio do ciclo menstrual, uso de contraceptivos orais, gravidez, menopausa), posição corporal, maneira como a amostra foi obtida, manuseio e armazenamento da amostra, e por fim, metodologia utilizada.

Outro ponto a considerar é a incerteza do estado de saúde da população utilizada na definição dos intervalos. Definições de “aparentemente saudável” ou “auto declarado saudável” deixam espaço para interpretações além do desejado.

Os valores de referência são importantes para o diagnóstico e acompanhamento de pacientes. Comparar os intervalos definidos com os resultados alterados do paciente pode levar a um tratamento de sucesso.

Um pré-requisito é que os resultados do paciente comportem-se de modo semelhante à população de referência. Mas isso nem sempre acontece. Para algumas categorias de resultados, compará-los com um intervalo de referência é irrelevante.

Um exemplo são os marcadores tumorais, que mesmo quando suas concentrações diminuem após cirurgia, sugerindo sucesso, mudanças subsequentes nos níveis plasmáticos mesmo dentro dos valores de referência podem ser significantes. Um aumento sucessivo do PSA num paciente após prostatectomia, pode indicar progressão de doença, mesmo dentro dos “valores normais”.

Crianças também não são bem representadas nas populações adultas utilizadas na definição dos intervalos de referência. Os valores de sódio podem ser muito amplos, já os de potássio, muito estreitos; os de creatinina dependentes da idade. Na outra ponta, estão os idosos, que possuem várias comorbidades, dificultando ainda mais a comparação.

Estabelecer valores de referência requer atenção e foco. O ideal seria que esses valores representassem o analito e o grupo adequado do paciente e não apenas o método utilizado para dosar esse analito. Infelizmente, na maioria dos lugares isso ainda não acontece.

Marinus A Blankenstein. Reference intervals – ever met a normal person? Annals of Clinical Biochemistry, 2015.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior dos cursos de graduação em Biomedicina e Farmácia. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG (IPTSP-UFG). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.

  • Compartilhar:

Artigos relacionados

0 comentários

Não temos interesse em publicar nada que nos ofenda ou ofenda outros visitantes. Só são aprovados textos que valorizem o que fazemos aqui e que podem ajudar outras pessoas, agregando valor ao conteúdo. O comentário precisa ser útil!