Pesquisadores descobrem por que ameba mortal tem afinidade pelo cérebro

Por Brunno Câmara - terça-feira, outubro 04, 2016



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, uroanálise, parasitologia e líquor.

Vai estudar para um processo seletivo de concurso público ou residência multiprofissional? - Conheça nosso livro de questões comentadas


Amebas “comedoras” de cérebro podem entrar no cérebro de um nadador desavisado pelo seu nariz e, se isso acontecer, as chances de sobrevivência são mínimas. Elas começam a comer seu cérebro.

Pesquisadores descobriram por que essa ameba mortal tem tamanha afinidade pelo cérebro.

A ameba, Naegleria fowleri (laranjada na imagem acima), tende a habitar em água doce.  Após entrar no corpo, ela passa pelo nariz e tecidos próximos e vai direto para o cérebro, onde as primeiras áreas destruídas são as regiões olfatórias, partes do lobo frontal, que são cruciais para a cognição e controle do comportamento.

Por que elas têm essa afinidade pelo cérebro permanecia desconhecida. A suspeita era de que a ameba poderia ser atraída pelo neurotransmissor acetilcolina, que é liberada em grandes quantidades pelas células da parte frontal do cérebro. Essa substância já é conhecida por atuar como um imã para algumas células imunes e neurônios em crescimento.

Para testar essa teoria, os pesquisadores procuraram por receptores na ameba que poderiam se ligar à acetilcolina. Para isso, eles começaram com a Acanthamoeba – um gênero que tente a infectar pessoas por machucados na pele.

Foram isoladas 126 proteínas da ameba e comparadas com outras proteínas com estruturas e componentes similares que estavam no banco de dados. Uma dessas proteínas tinha a estrutura similar ao receptor humano para a acetilcolina. O mesmo foi feito para a Naegleria fowleri e o resultado foi igual.

Isso sugere que a ameba tem seu próprio receptor para a acetilcolina. E é por isso que ela tropismo pelo cérebro.

Agora, com a descoberta, espera-se que drogas bloqueadoras do receptor sejam utilizadas no tratamento da infecção pela ameba. Essas drogas já existem, e são usadas no tratamento da síndrome do intestino irritável ou regular os batimentos cardíacos, por exemplo.

Porém, existe um problema. Se essas drogas puderem curar a infecção, elas devem ser administradas assim que a pessoa é infectada com a ameba, quando é impossível diagnosticar a infecção. Cefaleia grave é geralmente o primeiro sinal, mas nesse ponto a ameba já está no cérebro.

Agora é necessário um teste para o rápido diagnóstico.

Fonte: New Scientist | Imagem: London School of Hygiene & Tropical Medicine/Science Photo Library

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| @biomedicinapadrao | LinkedIn | Lattes |