Sêmen humano pode ser o habitat de até 27 vírus diferentes

Por Brunno Câmara - quarta-feira, outubro 11, 2017


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits


Uma das recentes descobertas sobre o Zika vírus é que seu material genético pode ser encontrado e persistir no sêmen humano por até seis meses após a infecção, causando preocupação nos casais que planejavam ter filhos.

Uma metanálise, publicada no periódico Emerging Infectious Diseases, encontrou que outros 26 vírus também podem estar presentes no sêmen humano. Entre eles estão o vírus Ebola, o HIV, o vírus da hepatite B e os herpes vírus humanos.

Após revisar mais de 3800 publicações científicas, os autores encontraram evidência de que pelo menos 11 desses vírus podem permanecer viáveis nos testículos, incluindo aqueles que causam gripe, dengue e síndrome respiratória aguda grave.

Adenoviruses Transfusion transmitted virus Lassa fever virus
Rift Valley fever virus Ebola virusMarburg virus
GB virus C Hepatitis C virus Zika virus
Hepatitis B virus Cytomegalovirus Epstein Barr virus
Human herpes virus 8 Human herpes virus 7 Human herpes virus 6
Human simplex viruses 1 and 2 Varicella zoster virus Mumps virus
Adeno-associated virus BK virus JC virus
Simian virus 40 HIVHuman T-cell lymphoma virus 1
Simian foamy virus Chikungunya virus

Apesar de nem todos os 27 vírus serem transmitidos por contato direto, eles podem causar outros problemas sérios, como a redução da fertilidade ou o aumento do risco de disseminação de uma doença sexualmente transmissível. Alguns desses vírus podem inclusive causar mutações no DNA dos espermatozoides, que fertilizariam um óvulo e passariam a mutação induzida pelo agente viral para as gerações futuras.

Os vírus podem persistir no sistema reprodutor masculino mesmo se não forem capazes de se replicar. Isso seria explicado pelo fato de que os testículos são imunologicamente privilegiados, visto que a resposta imune é restrita nesse local para permitir a sobrevivência dos espermatozoides, que são imunogênicos.

Agora, os autores sugerem que mais pesquisas sejam feitas para entender como e se esses vírus podem ser transmitidos pela via sexual e quais deles realmente permanecem viáveis no sêmen, por quanto tempo e em quais concentrações.

Salam AP, Horby PW. The breadth of viruses in human semen. Emerg Infect Dis, 2017.
https://doi.org/10.3201/eid2311.171049

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior dos cursos de graduação em Biomedicina e Farmácia. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG (IPTSP-UFG). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.

  • Compartilhar:

Artigos relacionados

0 comentários

Não temos interesse em publicar nada que nos ofenda ou ofenda outros visitantes. Só são aprovados textos que valorizem o que fazemos aqui e que podem ajudar outras pessoas, agregando valor ao conteúdo. O comentário precisa ser útil!