Para que servem as ponteiras com filtro

Por Brunno Câmara - sábado, julho 06, 2019



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, uroanálise, parasitologia e líquor.

Vai estudar para um processo seletivo de concurso público ou residência multiprofissional? - Conheça nosso livro de questões comentadas



No laboratório de análises clínicas, estamos acostumados com aquelas ponteiras tradicionais, as amarelas e as azuis. E elas são muito úteis na rotina, além de serem mais baratas.

Porém em determinadas análises é necessário um tipo de ponteira diferente, a ponteira com filtro.

O filtro encontra-se presente no interior da ponteira, na parte mais próxima ao encaixe da pipeta.

Esse filtro protege suas pipetas de aerosóis e também de aspirar líquidos voláteis ou viscosos para o interior do equipamento, o que, caso ocorra, pode contaminar e danificar sua pipeta.

Essas ponteiras com filtro são muito utilizadas na biologia molecular, no manuseio de ácidos nucleicos e amostras biológicas possivelmente contaminantes, visto que qualquer contaminação com DNA ou RNA indesejado pode atrapalhar todas as reações subsequentes, o que resulta em reações não confiáveis.


Ao contrário das ponteiras tradicionais, que vêm em sacos, as com filtro usualmente vêm em caixas específicas, pré-esterilizadas e livre de DNase e RNase.

À prova de novatos

Além disso, ponteiras com filtro são uma boa opção para alunos, estagiários e novatos no laboratório.

Muitas vezes a contaminação da pipeta ocorre quando um novo membro do laboratório, ainda sem experiência, acidentalmente aspira líquido para dentro da pipeta.

É muito mais fácil, e barato, jogar fora uma ponteira do que mandar a pipeta para o conserto.

Quando usar

Ponteira sem filtro - para pipetar líquidos como água e reagentes, ou mesmo amostras em reações em que não seja necessário extrema sensibilidade, como a maioria das reações em análises clínicas.

Ponteira com filtro - para pipetar líquidos, que possam danificar a pipeta, e amostras, principalmente em reações muito sensíveis, com as de biologia molecular, por exemplo, extração de DNA/RNA, PCR, sequenciamento genômico etc.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| @biomedicinapadrao | LinkedIn | Lattes |