Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits

Entendendo os anticoagulantes: EDTA

quinta-feira, janeiro 30, 2014 0 Comentários


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits


Imagem: SYSMEX

Essa semana vamos falar sobre o EDTA, o anticoagulante mais utilizado na hematologia, desde os anos 50. Veja os outros anticoagulantes aqui: Citrato de Sódio, Fluoreto de Sódio, Heparina.

Aliás, você sabe o que significa a sigla EDTA?

Ácido etilenodiaminotetracético. Esse é o nome completo do nosso amigo. Como você percebe, é bem mais fácil chamá-lo pelo seu apelido, EDTA.

O EDTA reage através de seus dois radicais ácidos com o cálcio plasmático, formando um quelato, tornando-se um sal insolúvel, ou seja, ele irá se ligar aos íons cálcio da amostra e a cascata da coagulação será interrompida.


Agente quelante
= EDTA
Íon metálico= cálcio
Quelato= EDTA + cálcio

Existem três tipos de EDTA: dissódico (Na2EDTA), dipotássico (K2EDTA) e o tripotássico (K3EDTA). Este último é o mais utilizado (forma líquida) por ser mais solúvel e menos tóxico.

Exames realizados

Ele é o anticoagulante de escolha para a hematologia, principalmente para a realização do hemograma, por preservar a morfologia das células hematológicas por mais tempo.

Mas para que essa morfologia seja preservada, deve-se usar a quantidade correta do reagente, geralmente na proporção de 0,1 mL de EDTA para 5 mL de sangue.

Efeitos do EDTA nos eritrócitos

Esfregaços de boa qualidade podem ser feitos dos tubos com EDTA desde que sejam feitos dentro de no máximo duas horas após a coleta. Mas o ideal é que o esfregaço seja feito assim que a coleta é finalizada, com o sangue sem anticoagulante.

Se um tubo for preenchido com quantidade inferior, a proporção sangue-anticoagulante é alterada, resultando em maior concentração de EDTA.

Em altas concentrações, o EDTA faz com que os eritrócitos encolham por causa da hipertonicidade do plasma com aumento da concentração iônica. Podem também criar artefatos, dificultando a interpretação da morfologia eritrocitária.

Efeitos do EDTA nas plaquetas

O EDTA reduz a ativação plaquetária por protegê-las durante o contato com o tubo, que pode iniciar a coagulação.

Essa ativação faz com que as plaquetas se agreguem na presença do cálcio e também causa a adesão das plaquetas na superfície do tubo rapidamente. Com a quelação do cálcio pelo EDTA a ativação é interrompida.

Em quantidades inferiores há formação de micro-coágulos e coágulos maiores. Como consequência, a contagem no aparelho hematológico será errada e esses micro-coágulos podem entupir a agulha do aparelho.

Efeitos do EDTA nos leucócitos

Estudos demonstraram que a contagem de leucócitos permaneceu estável por pelo menos três dias à temperatura ambiente (T.A.), quando utilizado sangue com EDTA.

Neutrófilos e monócitos parecem ser as células mais sensíveis ao armazenamento em EDTA, enquanto que linfócitos são mais estáveis.

A respeito da morfologia à T.A., uma leve vacuolização de monócitos foi encontrada após uma hora, passando a moderada após quatro horas; uma leve vacuolização nos granulócitos neutrófilos foi encontrada após três a quatro horas, passando a moderada após seis horas.


Relacionado
Entendendo os anticoagulantes: Citrato de Sódio

Referências: LABTEST – Guia Técnico: Coagulação, 2009.
Nayana Patel. Why is EDTA the anticoagulant of choice for hematology use? BD Diagnostics, 2009.

Brunno Câmara Biomédico

Biomédico, CRBM-GO 5596. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast (biomedcast.com).