Pesquisa de bacilos álcool-ácido resistentes (BAAR)

Por Brunno Câmara - sexta-feira, setembro 11, 2020



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, anemias, leucemias, uroanálise, parasitologia e líquor.



A pesquisa de micobactérias patogênicas (Mycobacterium tuberculosis e Mycobacterium leprae) por bacterioscopia direta é feita por meio do método de coloração de Ziehl-Neelsen.

O princípio desse método aproveita-se do fato de as micobactérias possuírem paredes celulares com alto teor de lipídeos (cerca de 60%, principalmente de ácido micólico).

Quando tratadas pelo corante fucsina fenicada, os bacilos coram-se de vermelho e persistem ao descoramento subsequente feito com uma solução de álcool-ácido forte (diferenciador).

É por isso que as micobactérias são conhecidas por serrem Bacilos Álcool-Ácido Resistentes (BAAR). 

As outras bactérias, que não possuem suas paredes celulares ricas em lipídeos, perdem sua coloração pela fuscina após a adição da solução de álcool-ácido, ficando azul após a adição do azul de metileno (contra-corante).

Técnica da coloração de Ziehl-Neelsen

Reagentes:

  • Corante primário: fucsina fenicada (carbolfucsina);
  • Descolorante: álcool-ácido 3% (v/v);
  • Contra-corante: azul de metileno ou verde malaquita.

Passo a passo:

  1. Cobrir a lâmina com fucsina fenicada;
  2. Aquecer a lâmina até à emissão de vapores (não deixar ferver ou secar);
  3. Deixe o corante aquecido na lâmina por 5 minutos;
  4. Lavar com água corrente;
  5. Cobrir a lâmina com álcool-ácido até descorar totalmente o esfregaço (2-5 min);
  6. Lavar com água corrente;
  7. Cobrir a lâmina com azul de metileno durante 1 a 2 minutos;
  8. Lavar com água corrente e limpar a parte inferior da lâmina;
  9. Esperar secar;
  10. Observar no microscópio em objetiva de imersão (100x).

Quando a fuscina fenicada é aquecida, o calor faz com que os lipídios da membrana derretam, deixando-a permeável ao corante.


Interpretação

  • Organismos ácido-álcool resistentes: corados de vermelho.
  • Não ácido-álcool resistentes: corados de azul/verde.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @brunnocamara |