Por que a dengue pode ser mais grave depois da primeira vez?

Por Brunno Câmara - domingo, maio 08, 2016


Precisando de conteúdo para complementar seus estudos?
Conheça os Kits de Estudo Biomedicina Padrão: biomedicinapadrao.com.br/kits


A. aegypti

Muitas pessoas acham que o que determina a gravidade da doença é o tipo de vírus (na dengue são quatro sorotipos). Bem, na verdade não é.

As chances de você ter dengue hemorrágica, por exemplo, aumentam drasticamente se você já teve a doença anteriormente. Mas você já parou para pensar por que isso acontece?

Há algum tempo, o pesquisador Dr. Scott Halstead propôs um fenômeno chamado de “agravamento da infecção dependente de anticorpo” para explicar esse fato.

Você só tem imunidade ao sorotipo em que entrou em contato durante a infecção. Quando uma pessoa é infectada pela segunda vez, por um dos outros três sorotipos, os anticorpos da primeira infecção, na verdade, ajudam o vírus a se espalhar e aumentar a viremia (quantidade de vírus na corrente sanguínea).

Surpreendentemente, ao invés de destruir o vírus, os anticorpos existentes e os recém produzidos pelos Linfócitos B podem ajudar o vírus a infectar as células com maior eficiência. Ironicamente, a consequência do agravamento da infecção dependente de anticorpo é que o sistema imunológico responde de uma maneira mais agressiva e aumenta o risco de evolução para dengue grave ou hemorrágica.


Whitehead, S. S. et al. Prospects for a dengue virus vaccine. Nature Reviews Microbiology 5, 518–528 (2007).

Apesar de os sorotipos serem semelhantes, ainda existem diferenças. São essas pequenas diferenças que mediam a infecção. Então o corpo irá produzir anticorpos para o primeiro sorotipo em que ele entrou em contato, não conseguindo neutralizar o verdadeiro sorotipo que está causando a atual infecção.

Além disso, os anticorpos não-neutralizantes ligados aos vírus dão a eles uma vantagem. Antes, os vírus só podiam infectar as células que tinham em sua superfície os receptores certos. Quando tais anticorpos ligam-se a eles, outras células, como monócitos e macrófagos, tentam destruí-los através da fagocitose, mas acabam contribuindo para sua disseminação.

Referências
When Good Antibodies Go Bad: Antibody-Dependent Enhancement

Host Response to the Dengue Virus

Halstead S. B. Pathogenisis of dengue: challenges to molecular biology. Science. 1988;239(4839):476–481.

Imagem: CDC

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior dos cursos de graduação em Biomedicina e Farmácia. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG (IPTSP-UFG). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.

  • Compartilhar:

Artigos relacionados

0 comentários

Não temos interesse em publicar nada que nos ofenda ou ofenda outros visitantes. Só são aprovados textos que valorizem o que fazemos aqui e que podem ajudar outras pessoas, agregando valor ao conteúdo. O comentário precisa ser útil!