Corantes usados no esfregaço hematológico

Por Brunno Câmara - terça-feira, outubro 01, 2013



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, uroanálise, parasitologia e líquor.

Vai estudar para um processo seletivo de concurso público ou residência multiprofissional? - Conheça nosso livro de questões comentadas


Os corantes para esfregaços sanguíneos são uma mistura de corantes de características neutras, dependentes do pH da solução corante, que em condições apropriadas coram os componentes nucleares e citoplasmáticos dos leucócitos, com predominância de tons vermelhos (quando ácidos) e azulados diversos (quando básicos).

Primeiramente temos que entender as características do pH desses corantes:

O azul de metileno é um corante básico que reage com componentes ácidos das células e tecidos, os quais incluem grupos fosfatos, ácidos nucléicos, grupos sulfatos de glicosaminoglicanas e grupos carboxila das proteínas. Estruturas celulares que se coram com corantes básicos são denominadas basófilas. São exemplos: heterocromatina, nucléolo, RNA ribossômico, matriz extracelular da cartilagem. Cor: azul.

A eosina é um corante ácido que reage com componentes básicos das células e tecidos. Quando usada juntamente com corantes básicos como o azul de metileno, coram o citoplasma, filamentos citoplasmáticos e fibras extracelulares. A eosina geralmente cora as estruturas em vermelho ou rosa.

Corante básico → cora estruturas ácidas, chamadas basófilas
Corante ácido → cora estruturas básicas, chamadas acidófilas/eosinófilas

May-Grunwald-Giemsa, Leishman e Wright

O corante de May-Grunwald (1902) é uma mistura de eosina e azul de metileno (não oxidados), que quimicamente se transforma em eosinato de azul de metileno.

Giemsa (Alemanha) desenvolveu, no mesmo período, um corante que leva seu nome e que hoje se sabe ser uma mistura de azur II (mistura equimolar de azur 1 e azul de metileno) e eosinato de azur II (corante formado pela combinação equimolar de azur 1, azul de metileno e eosina amarelada).

Esses dois corantes são utilizados através de um método de coloração mais demorado, em que, após fixação e coloração pelo May Grunwald, se processa uma segunda coloração com solução de Giemsa, obtendo-se um resultado final melhor e mais detalhado.

A necessidade de um único corante, que pudesse corar globalmente os elementos celulares com os detalhes do MG-Giemsa, levou ao desenvolvimento de novos corantes: Leishman (Inglaterra,1901) e Wright (Inglaterra,1902). São corantes basicamente idênticos, compostos de eosina amarelada e produtos de oxidação do azul de metileno. A diferença entre ambos se restringe ao fato de que o processo de maturação é mais longo na feitura do corante Leishman (em pó).

Estes  corantes  são  dissolvidos  em  álcool  (em  geral  metanol).


Técnica 1: primeiro coloca-se o corante dissolvido em metanol, depois a água destilada.


Técnica 2: os corantes estão separados. Primeiro fixa-se a lâmina com metanol (frasco 1) por alguns segundos, logo após mergulha-se algumas vezes no frasco de eosina (frasco 2) e depois no de azul de metileno (frasco 3). Enxagua-se e deixa secar. 

A técnica pode variar, mas o resultado esperado é praticamente o mesmo para todos:

Hemácias: róseo

Plaquetas: azul

image
plaquetas e hemácias

Leucócitos:
•    Linfócitos
núcleo: azul violeta
citoplasma: azul


linfócito

•    Monócitos
núcleo (lobulado): azul violeta
citoplasma: azul claro


monócito

•    Granulócitos
Neutrófilos polimorfonucleares
núcleo: azul escuro
citoplasma: rosa pálido
granulações: de tons róseos a azul claro


neutrófilo segmentado

•    Basófilos
núcleo: púrpura a azul escuro
granulações volumosas, cobrindo todo o citoplasma: azul escuro


basófilo

•    Eosinófilos
núcleo: azul
citoplasma: rosa pálido
grânulos volumosos: vermelho a vermelho laranja


eosinófilo

Com informações de Doles Reagentes

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| @biomedicinapadrao | LinkedIn | Lattes |