Como identificar linfócitos reativos e neoplásicos - linfócitos variantes

Por Brunno Câmara - segunda-feira, janeiro 06, 2020



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, uroanálise, parasitologia e líquor.




Se tem um grupo de leucócitos que gera muitas dúvidas quanto sua morfologia na distensão sanguínea de sangue periférico são as células mononucleares, monócitos e linfócitos.

Neste post eu trouxe as principais alterações na morfologia dos linfócitos e possíveis distúrbios associados a essas alterações morfológicas.

Linfócito típico

O linfócito típico é pequeno, com cromatina condensada e uma pequena quantidade de citoplasma visível de cor basofílica pálida. O núcleo de um linfócito em repouso é pouco maior que um eritrócito.

Linfócito grande e granular

São frequentemente denominados LGL (Large granular lymphocytes). 

Esse tipo de linfócito é maior que o linfócito típico em repouso, possuindo citoplasma mais abundante, azul pálido e grânulos azurofílicos visíveis (lisossomos).

O núcleo é oval ou redondo, com cromatina condensada. 

Os LGLs podem ser linfócitos T citotóxicos (CD8+) ou células NK. Sob condições normais eles correspondem a cerca de 10-15% dos linfócitos circulantes.

Podem estar aumentados em infecções virais, doenças autoimunes, após esplenectomia e na leucemia linfocítica grande granular.


Linfócitos reativos

Quando o linfócito é ativado por algum processo inflamatório e/ou infeccioso, podemos observar na lâmina modificações em sua morfologia.

Várias características são diferentes dos linfócitos típicos em repouso.

Linfócitos reativos semelhantes a imunoblastos são células grandes com razão núcleo-citoplasma elevada, cromatina condensada e citoplasma basofílico (imagem abaixo).


Outro tipo de linfócito reativo possui uma cromatina menos condensada, citoplasma abundante e azul pálido que parece estar abraçando as hemácias adjacentes.

São chamados também de células Downey do tipo II

Podem ser visto numa variedade de condições, porem estão aumentados na mononucleose infecciosa devido à infecção pelo vírus Epstein Barr (EBV).


Linfócitos neoplásicos (clonais)

Estão associados e em número aumentado nas neoplasias linfoproliferativas, principalmente as crônicas, como leucemia linfocítica crônica (LLC), mieloma múltiplo e linfomas.

Na maioria dos casos, o analista clínico deve descrever a morfologia das células predominantes nas observações do hemograma, e não tentar fazer um diagnóstico.

O exame mais adequado para saber as características fenotípicas desses linfócitos, e assim classificá-los, é a imunofenotipagem por citometria de fluxo.

LLC típica

São linfócitos pequenos, com núcleo redondo, cromatina densa e citoplasma escasso.


Plasmócitos

Morfologia oval, com núcleo excêntrico e cromatina extremamente compactada.

O citoplasma é moderado e fortemente basofílico. Adjacente ao núcleo, observa-se uma área menos basofílica correspondente ao complexo de Golgi.

Não são encontrados no sangue periférico de indivíduos saudáveis.

Pode estar presente no sangue periférico devido ao mieloma múltiplo ou fenômeno reativo, após liberação de IL-6 (LMA, linfoma, carcinoma, infecção, inflamação).


Linfócito com núcleo clivado

São pequenos, com citoplasma escasso e levemente basofílico.

O núcleo apresenta uma fenda, indentação ou fissura.

Encontrado no linfoma folicular (clonal) e infecção pela bactéria Bordetella pertussis (reacional).


Inclusões citoplasmáticas

São encontradas nas Síndrome de Chediak-Higashi e Alder–Reilly.

Essas inclusões são um pouco maiores que as granulações dos LGLs.


Linfócitos vilosos

Linfócitos maduros e pequenos. O núcleo é oval, com cromatina compactada.

O citoplasma é escasso a moderado e levemente basofílico.

Possuem vilosidades em uma ou nas duas extremidades.

Encontrado no linfoma de zona marginal esplênico (LZME).


Células pilosas

São maiores que os linfócitos normais, e possuem citoplasma abundante levemente basofílico com as margens irregulares (projeções citoplasmáticas).

O núcleo pode ser oval, redondo ou bilobado e a cromatina com pouco condensação.

Encontradas principalmente na tricoleucemia.


Células de Mott

São plasmócitos que possuem inclusões esféricas em seu citoplasma.

Essas inclusões são estruturas vesiculares contendo imunoglobulinas.

Podem ser encontradas na plasmocitose reativa, linfoma de Burkitt, linfoma de grandes células B, mieloma múltiplo, dentre outras condições.


Flower cells 

As células possuem núcleo irregular que é convoluto, semelhante a uma flor com várias pétalas.

Algumas células possuem nucléolo.

São encontradas em Linfoma/Leucemia de células T do adulto devido a infecção por HTLV-1.


Linfócitos pleomórficos

As células variam em morfologia, tamanho e razão núcleo-citoplasma.

Algumas podem ter núcleo clivado ou irregular.

A condensação da cromatina é menor que na LLC e algumas células aparentam-se com blastos.

Podem ser vistos em vários tipos de linfomas não Hodgkin, LLC (típica, mista e atípica), leucemia prolinfocítica. LLA também pode ser considerada.


Referências

Bavle RM. Bizzare plasma cell - mott cell. J Oral Maxillofac Pathol. 2013;17(1):2–3.

Bain BJ. Blood Cells - A practical guide. Blackwell, 4ª ed.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @brunnocamara |