Pesquisadores imprimem primeiro coração 3D usando células do próprio paciente

Por Brunno Câmara - terça-feira, abril 16, 2019



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, uroanálise, parasitologia e líquor.

Vai estudar para um processo seletivo de concurso público ou residência multiprofissional? - Conheça nosso livro de questões comentadas



Pesquisadores da Tel Aviv University "imprimiram" o primeiro coração 3D vascularizado usando as células e materiais biológicos do próprio paciente.

O artigo foi publicado no dia 15 de abril, no periódico Advanced Science.

A geração de tecidos espessos vascularizados que são totalmente compatíveis com o paciente ainda continua um desafio na engenharia de tecidos cardíacos.

No artigo, é reportada uma simples abordagem de impressão 3D de tecido cardíaco espesso, vascularizado e perfundível, que é completamente compatível com as propriedades imunológicas, celulares, bioquímicas e anatômicas do paciente.

Com essa finalidade, uma biópsia de um tecido omental é retirada dos pacientes. Enquanto as células são reprogramadas para se tornar células-tronco pluripotentes, e se diferenciarem em cardiomiócitos e células endoteliais, a matriz extracelular é processada em um hidrogel personalizado.

Em seguida, os dois tipos celulares são separadamente combinados com o hidrogel para formar os filamentos para a impressora 3D (bioinks) para o parênquima cardíaco e vasos sanguíneos. Os corações com uma arquitetura natural então são impressos.



Os resultados demonstram o potencial da abordagem para projetar tecidos e órgãos personalizados, ou para testar drogas em estruturas anatômicas e microambiente bioquímico específico para cada paciente.

"Essa é a primeira vez que alguém no mundo conseguiu com sucesso criar e imprimir um coração inteiro repleto de células, vasos sanguíneos e com todas as câmaras (átrios e ventrículos)", afirmou um dos pesquisadores.

Nesse estágio o coração impresso é do tamanho de um coração de coelho. Mas a tecnologia seria a mesma para imprimir um coração humano.

Muito ainda tem de ser feito, cultivar o coração em laboratório e "ensiná-lo" como se comportar. Atualmente as células conseguem contrair, mas ainda não conseguem bater como um coração normal.

Leia o artigo na íntegra:

Noor, N., Shapira, A., Edri, R., Gal, I., Wertheim, L., Dvir, T., 3D Printing of Personalized Thick and Perfusable Cardiac Patches and Hearts. Adv. Sci. 2019, 1900344. https://doi.org/10.1002/advs.201900344

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| @biomedicinapadrao | LinkedIn | Lattes |