O que o Biomédico precisa saber sobre Desvio à Esquerda

Por Brunno Câmara - segunda-feira, março 08, 2021


📚🔬 Cursos online e Apostilas Digitais

Complemente seus estudos fazendo nossos cursos online (videoaulas, apostilas e certificado):


Na medicina laboratorial, quando usamos o termo "desvio à esquerda" estamos nos referindo à presença de células sanguíneas imaturas presentes numa amostra de sangue periférico.

No Brasil, culturalmente, usamos esse termo especificamente para a linhagem dos neutrófilos.

Em outros países, o desvio à esquerda pode referir-se também a outras linhagens sanguíneas, como a dos eritrócitos.

Por exemplo: em pacientes com anemia, pode-se usar o termo para descrever o aumento da quantidade de reticulócitos e o aparecimento de eritroblastos no sangue periférico.

Porém, o seu uso mais comum é também relacionado aos neutrófilos.

Origem do termo

A proposta mais aceita é a de que o termo "desvio à esquerda" se originou na década de 50, quando a contagem diferencial dos leucócitos ainda era feita de forma manual.

Para auxiliar na contagem dos 100 leucócitos, tabelas padronizadas eram usadas. Cada coluna representava um tipo celular.

Com a chegada dos contadores mecânicos, a contagem passou a ser feita pressionando-se os botões correspondentes aos tipos celulares encontrados na lâmina.

Em ambos os sistemas de contagem, de colunas e de botões, os neutrófilos mais imaturos eram as primeiras células e, de acordo com a escala maturativa, as mais maduras vinham na sequência, da esquerda para a direita (imagem).

Então, começou-se a denominar o aparecimento de granulócitos imaturos no sangue periférico como desvio à esquerda.


Imagem adaptada de Medical Lab Lady Gill/YouTube

Definição de Desvio à Esquerda

Mesmo depois de tanto tempo e de ser um termo muito utilizado nas práticas clínica e laboratorial, a definição de desvio à esquerda ainda não tem um consenso.

Existem duas definições que prevalecem na hematologia.

Em uma, autores consideram desvio à esquerda como o aumento do número, absoluto ou percentual (> 10%), de neutrófilos bastões no sangue periférico.

Na outra, autores definem o desvio à esquerda como sendo a presença e/ou aumento na quantidade de neutrófilos (granulócitos) imaturos no sangue periférico: promielócitos, mielócitos, metamielócitos e bastões.

Visto que a própria caracterização morfológica dos neutrófilos bastões não é unânime entre os profissionais de laboratório, e que muitos os consideram já como neutrófilos maduros, eu sou mais adepto da segunda definição.

Significado clínico do Desvio à Esquerda

A causa mais comum do aparecimento do desvio à esquerda, associados à neutrofilia, são os casos de infecções, principalmente as bacterianas.

Porém, ainda faltam correlações entre a presença do desvio à esquerda e a gravidade da infecção.

Nessas infecções, os neutrófilos dos pools marginal e circulante migram para o sítio da infecção. 

Uma diminuição dos neutrófilos no sangue periférico estimula a medula óssea a liberar neutrófilos imaturos, após os maduros que estavam armazenados serem depletados.

A diminuição dos neutrófilos imaturos e maduros armazenados no pool da medula óssea pode também estimular a produção mais neutrófilos.

Um desvio à esquerda mais avançado indica um consumo maior de neutrófilos no sítio da infecção e, consequentemente, maior produção de novos neutrófilos.

Além de causas reacionais, o desvio à esquerda pode ser encontrado em muitas doenças hematológicas, como leucemias mieloides, policitemia vera, trombocitemia essencial, mielofibrose primária, etc.

Devo relatar no laudo?

Relatar ou não o termo "desvio à esquerda" nas observações do laudo fica a critério do laboratório.

Eu não vejo importância clínica em fazer esse relato.

O que realmente deve sempre constar no laudo, na contagem diferencial dos leucócitos, são os tipos de granulócitos imaturos observados na microscopia e a quantidade de cada um.

Com essas informações, o médico poderá fazer a melhor interpretação de acordo com outros dados clínicos e laboratoriais do paciente.

Referências

Medicine Out of The Box - The Meaning of a Shift to the Left (link)

Pathology Student - Left shift (link)

Honda, Takayuki et al. “Neutrophil left shift and white blood cell count as markers of bacterial infection.” Clinica chimica acta; international journal of clinical chemistry vol. 457 (2016): 46-53.

Renato Failace. Hemograma - Manual de Interpretação, 6ª edição, 2015.

MacQueen, B C et al. “Comparing automated vs manual leukocyte differential counts for quantifying the 'left shift' in the blood of neonates.” Journal of perinatology : official journal of the California Perinatal Association vol. 36,10 (2016)

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @biomedicinapadrao |