O que é um zimogênio

Por Brunno Câmara - quinta-feira, dezembro 02, 2021


📚🔬 Cursos Biomedicina Padrão


Um zimogênio também é denominado como proenzima. Ou seja, é um precursor (def.: aquilo que vem antes) inativo de uma enzima.

Ativação do zimogênio

Para virar uma enzima ativa e exercer suas funções, o zimogênio precisa passar por alguma mudança bioquímica.

Exemplos dessas mudanças são uma reação de hidrólise ou uma mudança de configuração para revelar o sítio ativo.

A parte retirada que estava inativando-o e pode ser um único peptídeo ou pode ser alguma dobra num domínio com mais de 100 resíduos de aminoácidos.

Exemplos de zimogênios

O pepsinogênio é um zimogênio produzido e liberado por células do estômago. Ele é ativado pelo ácido clorídrico, quando 44 aminoácidos são clivados da molécula.

Assim, origina-se a pepsina. Uma enzima que cliva proteínas em peptídeos menores.

Outro exemplo é o angiotensinogênio, que é o zimogênio da angiotensina I. Para sua ativação é necessário que a enzima renina faça a clivagem.

Os zimogênios mais conhecidos são aqueles envolvidos na coagulação. No sangue, são proteínas inativas. Mas, quando ocorre algum dano endotelial, são ativadas sequencialmente.

Então, temos, por exemplo, a protrombina (zimogênio) e a trombina (ativa); Fator IX (zimogênio) e Fator IX ativado; Fator X (zimogênio) e Fator X ativado.

Não podemos esquecer também da fibrinólise, onde o plasminogênio (zimogênio) dá origem à plasmina (enzima ativa), que vai degradar a fibrina formada.

Importância

Imagine que a pepsina estivesse o tempo todo ativa no nosso trato digestivo. Ou que os fatores da coagulação estivessem o tempo todo se ativando, produzindo coágulos.

Seria um grande problema para o organismo.

Por isso, essa forma inativa da enzima é muito importante. É um controle para que a enzima só atue quando realmente precisa atuar.

Ela está lá presente. Pronta para agir. Mas, precisa de um "comando".

Após realizar suas funções ela volta a ser inativada ou é degradada. E, assim, o equilíbrio (homeostase) fica garantido.

Referências

Lu, H., Cassis, L., Kooi, C. et al. Structure and functions of angiotensinogen. Hypertens Res 39, 492–500 (2016). https://doi.org/10.1038/hr.2016.17

Chakraborty, P., Acquasaliente, L., Pelc, L.A. et al. Interplay between conformational selection and zymogen activation. Sci Rep 8, 4080 (2018). https://doi.org/10.1038/s41598-018-21728-9

Charithani B. Keragala, Robert L. Medcalf; Plasminogen: an enigmatic zymogen. Blood 2021; 137 (21): 2881–2889. doi: https://doi.org/10.1182/blood.2020008951

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @biomedicinapadrao |