O que o Biomédico precisa saber sobre a Coagulopatia associada à COVID-19

Por Brunno Câmara - sexta-feira, abril 24, 2020



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, anemias, leucemias, uroanálise, parasitologia e líquor.



O padrão mais comum de coagulopatia observado nos pacientes hospitalizados com o COVID-19 é caracterizado pela elevação de fibrinogênio e dos níveis de D-dímero.

Essas alterações correlacionam-se com o aumento de marcadores inflamatórios, como a proteína C reativa.
Ao contrário do padrão encontrado na coagulação intravascular disseminada (CIVD) causada por sepse bacteriana ou trauma, na COVID-19, o grau de elevação do TTPA é geralmente menor que a elevação do TAP, a trombocitopenia é leve (plaquetas ~100.000/µL) e não há presença de microangiopatia.

Alterações laboratoriais em pacientes com COVID 2019

Alguns pacientes com doença grave podem desenvolver CIVD com ativação fulminante da coagulação e consumo dos fatores da coagulação.

Isso reflete numa contagem de plaquetas abaixo de 50.000/µL, prolongamento tanto de TAP quanto de TTPA, importante elevação do D-dímero e diminuição de fibrinogênio ( < 1,0 g/L).

Observou-se que os níveis de fibrinogênio diminuem drasticamente no decorrer de três dias.

O que o Biomédico precisa saber sobre o diagnóstico laboratorial da COVID-19

Quais parâmetros utilizar para o acompanhamento dos pacientes?

A recomendação é o monitoramento de:


A piora nos resultados desses exames indica uma gravidade progressiva da infecção e pode predizer a necessidade de um cuidado intensivo mais agressivo.

Anticoagulação profilática

É recomendada a profilaxia com heparina de baixo peso molecular (LMWH) para todos os pacientes hospitalizados com COVID-19, a menos que o risco de hemorragia exceda o risco de trombose.

Essa medida independe de resultados anormais dos testes de coagulação e deve ser feita na ausência de sangramento ativo.

Deve-se manter a administração de heparina somente se a contagem de plaquetas for inferior a 25.000/µL ou fibrinogênio menor que 0,5 g/L.

TAP e TTPA anormais não são uma contraindicação para a tromboprofilaxia farmacológica.

Referências

American Society of Hematology. COVID-19 and Coagulopathy: Frequently Asked Questions. April 14, 2020 (link).

American Society of Hematology. COVID-19 and VTE/Anticoagulation: Frequently Asked
Questions. April 17, 2020 (link).

Klok, F A et al. Incidence of thrombotic complications in critically ill ICU patients with COVID-19. Thrombosis research, 2020, doi:10.1016/j.thromres.2020.04.013

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @biomedicinapadrao |