Como interpretar e o que fazer com uma hemocultura positiva

Por Brunno Câmara - sexta-feira, fevereiro 14, 2020



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, uroanálise, parasitologia e líquor.



Série HEMOCULTURA

Hemocultura: utilidade e quando deve ser solicitada
Melhor momento e volume para coletar sangue para hemocultura
Como coletar sangue para hemocultura
Como aumentar a sensibilidade da hemocultura
A importância do meio para a hemocultura
Como interpretar e o que fazer com uma hemocultura positiva

Geralmente, o período de incubação dos frascos de hemocultura pode variar entre 5 e 7 dias.

A incubação de 5 dias é mais comum.

Estudos mostram que a maioria (98%) das amostras positivas são detectadas dentro dos três primeiros dias.
Se o equipamento detectar a positividade, o frasco é removido do sistema e a coloração de Gram e subcultivos devem ser realizados.

Coloração de Gram

Se Gram-positivo: reportar a morfologia imediatamente para o médico. Realizar a identificação da bactéria e fazer o TSA.

Se Gram-negativo: não é necessário reportar ao médico imediatamente, a não ser que haja crescimento nas culturas subsequentes.

Reportar rapidamente se a bactéria é Gram-positiva ou -negativa melhora significativamente o prognóstico do paciente.

Possíveis interpretações

Mais de um frasco positivo

  • Cultura monomicrobiana + sintomas clínicos = infecção sanguínea;
  • Cultura polimicrobiana + condição clínica adequada = provável infecção sanguínea (repetir hemocultura).

Apenas um frasco positivo

  • Se organismo patogênico (E. coli, S. aureus, etc) = provável infecção sanguínea (repetir hemocultura);
  • Se organismo da microbiota da pele = provável contaminação (repetir hemocultura).

Hemocultura negativa

  • Sem sintomas = negativo;
  • Com sintomas = considerar causa não infecciosa ou investigar agente etiológico viral ou micro-organismo não cultivável.

Referência

BioMérieux. Blood culture - A key investigation for diagnosis of bloodstream infections. 2018.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @brunnocamara |