Hemocultura: utilidade e quando deve ser solicitada

Por Brunno Câmara - segunda-feira, fevereiro 10, 2020



📚🔬 Apostilas e Livro Digitais

Utilize nossas apostilas digitais como material complementar aos seus estudos - hematologia, anemias, leucemias, uroanálise, parasitologia e líquor.



Série HEMOCULTURA

Hemocultura: utilidade e quando deve ser solicitada
Melhor momento e volume para coletar sangue para hemocultura
Como coletar sangue para hemocultura
Como aumentar a sensibilidade da hemocultura
A importância do meio para a hemocultura
Como interpretar e o que fazer com uma hemocultura positiva

O que é uma hemocultura?

É um exame laboratorial em que o sangue do paciente é coletado e inoculado em frascos contendo meio de cultura para determinar se micro-organismos infecciosos (fungos e bactérias) estão presentes na circulação do paciente.

Objetivos

  • Confirmar a presença de micro-organismos no sangue;
  • Identificar o agente etiológico causador da infecção;
  • Ajudar a determinar a fonte de infecção;
  • Guiar a terapia antimicrobiana.

Importância

A hemocultura é a ferramenta diagnóstica mais usada para a detecção de bacteremia e fungemia.

Uma hemocultura positiva estabelece ou confirma que existe um agente infecciosos responsável pela doença do paciente.

Um diagnóstico precoce é um fator decisivo no prognóstico do paciente.

Uma vez conhecido qual o agente etiológico, e feito o teste de susceptibilidade antimicrobiano (TSA), é possível entrar com a antibioticoterapia adequada o mais rápido possível.

Fornecer a terapia adequada dentro das primeiras 24-48 horas resulta em:

  • Diminuição da mortalidade relacionada à infecção (20-30%)
  • Recuperação mais rápida e menor tempo de internação
  • Menos riscos de efeitos adversos
  • Diminuição de resistência aos antimicrobianos
  • Redução de custos

Quando uma hemocultura deve ser solicitada?

Sempre que houver suspeita de uma infecção sanguínea ou caso de sepse.

Manifestações clínicas que podem levar à suspeita de uma infecção:

  • Febre de origem indeterminada (≥38°C) ou hipotermia (≤36°C);
  • Choque, calafrios, rigor;
  • Infecções locais graves (meningite, endocardite, pneumonia, pielonefrite etc.);
  • Frequência cardíaca elevada;
  • Diminuição ou elevação da pressão sanguínea;
  • Frequência respiratória elevada.

Referência

BioMérieux. Blood culture - A key investigation for diagnosis of bloodstream infections. 2018.

Brunno Câmara Autor

Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast.
| Contato: @biomedicinapadrao |